)

«

»

jan 29 2014

O Caso de Mirassol – Paternidade de uma criatura híbrida?

Antonio Carlos Ferreira

No dia 28 de junho de 1979, Antonio Carlos Ferreira, um vigia da cidade de Mirassol, no interior paulista, alega ter vivido uma experiência estarrecedora de contato com extraterrestres.

Homem simples, Antonio que trabalhava como vigia em uma empresa de móveis. Naquela noite, saiu do banheiro em direção ao pátio para voltar ao seu posto, quando viu três pequenos seres de um metro e vinte de altura e um objeto ao qual chamou “de bola no céu”.

Portando um aparelho que Antônio achou parecido com um revólver, um dos seres apontou em sua direção. Daquela máquina projetou–se um facho de luz que desorientou o vigia. Quando acordou, sem saber como chegara, Antônio vira–se no interior da tal “bola no céu”.

Do que se lembrava do OVNI, o vigia o descrevera como sendo redondo, era redondo, com uma espécie de bico na parte de cima e três pés na parte inferior, aparentando ser um trem de pouso.

Ilustração da Nave que o abduziu

Já no interior da suposta espaçonave, Antonio, cercado por estranhos seres, foi colocado diante de outro aparelho, que disse ser semelhante a uma televisão. As luzes no interior da sala onde se encontrava assumiam tons de vermelho e verde. No teto da sala a luz vermelha, muito intensa.

Ele contou que os seres tinham morfologias diferentes. Alguns eram negros. Outros aparentavam uma colocação esverdeada na pele. Mas todos tinham roupas eram brancas e brilhantes. Suas orelhas eram pontudas e a boca semelhante não se diferenciava muito da boca de seres humanos, achou Antonio. Ele reparou que quando os viu rapidamente, antes de ser atingido pela luz, do lado de fora do OVNI, estavam todos usando máscaras.

Seus raptores conversavam entre si. Sua voz era rouca, e pela velocidade e entonação, Antônio achou que fosse parecido com o japonês. Mesmo sem entender nada do que falava, o vigia disse que o diálogo entre os seres transmitia–lhe a sensação de tranqüilidade.

Ele ficou em frente ao aparelho parecido com a televisão por um tempo que não soube estimar, até que novamente apontaram–lhe o pequeno “revólver” de luz. Quando acordou, já estava deitado no pátio da empresa.

Mas o caso não terminou aí. Anos depois, no dia 7 de agosto de 1982, Antônio caminhava sozinho pelas ruas da cidade quando novamente teria visto uma nave de forma arredondada aproximando–se. Depois de parar à sua frente, do UFO abriu–se uma porta e nela surgiu um dos seres que ele conhecera anteriormente. Ao lado da criatura o vigia notou uma estranha criança.

Ambos ficaram parados, na porta, apenas fitando Antônio, para em seguida desaparecerem no interior da nave da mesma maneira misteriosa que apareceram. No mesmo ano, segundo o depoimento da testemunha, retornaram, mas nesta terceira vez levaram–no novamente para o interior do objeto. O rapto, no entanto, teria sido diferente: ele foi sugado do solo por um feixe de luz verde. Uma vez lá dentro, num espaço que parecia um enorme salão, viu vários objetos menores estacionados.

Ilustração da Nave que o Abduziu

O vigia, neste novo encontro, teria sido levado até uma sala onde havia uma espécie de cama. Foi preso pelos braços, e, em seu braço esquerdo, os seres teriam colocado um aparelho enquanto injetavam em sua veia um líquido amarelo.

Mais tarde o teriam levado a um local mais amplo, onde estava o ser que na vez anterior surgira à porta com a estranha criança, que era idêntica aos demais: tinha pele escura, cabelos vermelhos e orelhas pontudas. Foi então que Antônio suspeitou que a criatura ao lado da criança deveria ser sua progenitora, que apenas olhava para o vigia. Ele enfim entendeu que ele era o pai daquele pequeno ser.

Alguns meses depois, pela quarta vez consecutiva, Antônio Carlos teria tido um novo encontro com seus raptores. Desta vez, conta que foi levado a conhecer todo o interior do UFO. As visitas tornar–se–iam ainda mais freqüentes. No total, de 1979 a 1989, Antônio garante ter passado pela traumatizante experiência 16 vezes, um recorde sem precedentes na pesquisa ufológica.

Sua história foi pesquisada e analisada por muitos ufólogos brasileiros e estrangeiros. A conclusão desses estudos, ainda que nenhum deles em âmbito acadêmico ou pericial, foi unânime em pelo menos um aspecto: Antônio não mentiu em nenhum ponto de sua história, nem teria condições culturais para criar tudo o que diz ter passado. Alguns pesquisadores, no entanto, duvidam de que ele seja pai de uma criança extraterrestre, tendo sido esta apenas uma interpretação subjetiva diante de uma realidade tão complexa e diferente do universo de conhecimentos do vigia…

FONTE: REVISTA VIGILIA
Editado por: Arquivo X do Brasil

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: