)

«

»

fev 23 2014

Quem é Asthar Sheran? – Terceira Parte

Comando Asthar

Não existe nenhuma contestação e/ou questionamento sobre a origem da “mensagem”, que sempre é de natureza telepática. Para se ter uma ideia de onde o absurdo pode chegar, eu assisti a uma recente palestra de Sixto Paz Wells aonde este mostrou uma série de fotografias dizendo ser uma das colônias de extraterrestres. O problema é que Sixto alegava que as fotos eram de Ganímedes, uma das luas de Júpiter mas, na verdade, as fotos era de outra lua de Júpiter: Europa. Por várias vezes ele repetiu, olhou para as imagens e nada falou e ninguém presente sequer contestou (eu fiquei calado propositalmente para observar). É a isto que me refiro quando digo que grande parte dos “contatos” com “extraterrestres” são ..

despreparadas e a provável razão é que assim não há possibilidade de se criticar ou questionar qualquer tipo de informação passada por supostos extraterrestres. Exemplo disso temos de sobra: Howard Menger, Hermínio e Bianca, George Adamski, Rael, Barney e Betty Hill, Comando Ashtar, etc. Como escreveu John Keel, se de um aparelho estranho, do qual saísse uma pessoa também absolutamente estranha, pousasse no quintal de uma dona de casa de classe média e dissesse a esta que é de Vênus, quem seria ela para contestar isto? Iria acreditar, sim, que os extraterrestres vieram de Vênus, ou ainda de algum Planeta em torno de estrelas inadequadas para se ter Planetas, como as Plêiades ou ainda de uma estrela que não é uma, mas sim duas estrelas binárias fraquíssimas como é o sistema Wolf 424, apontado como origem dos ufonautas do caso UNMO, ocorrido na Espanha na década de 70. Este caso é muito interessante pois nem os pesquisadores do exterior, gabaritados e experientes da época, se deram ao trabalho de ver que a base de todo este caso estava sustentada numa mentira dita pelos supostos extraterrestres ou por quem inventou o caso; bastaria ter verificado sobres as estrelas do sistema Wolf e descoberto a engenhosa armação e quem descobriu isto foi o físico e ufologista brasileiro Alberto Francisco do Carmo.

Enfim, poucas são as pessoas que se dizem “contatadas” que estão transmitindo idéias realmente positivas e com certa coerência. Certos pesquisadores de renome dizem que “contatados” e “abduzidos” são a “Linha de Frente” de propagação de idéias e totemismos de procedência incerta. Se são extraterrestres, militares terrestres, jogos e táticas de guerra psicológica, “entidades dimensionais” ou outra manifestação qualquer, ainda não se sabe.

O que se sabe e muito bem, é que muitas das pessoas que se dizem “contatadas” e que alegam manter contato com “Ashtar Sheran”, não adquirem nenhum ganho ou benefício direto com isto; muito pelo contrário, tais pessoas passam por exposição ao ridículo; crises nas relações interpessoais, inclusive com ruína de casamentos e situação econômica; fenômenos do tipo “poltergeist”; interferências em aparelhos eletro-eletrônicos por EMI (interferência eletro-magnética); sensação de ser monitorado; estímulo a criar comunidades alternativas ou epistêmicas que funcionam por algum tempo; instruções para construir aparelhos estranhos; previsões de guerras e catástrofes e (com exceção de alguns poucos “espertos”) não ficam ricos com tudo isso, pelo contrário! Sabe-se também que quem manipula as situações de “contato” e no caso de “Ashtar Sheran” pode-se constatar isso, conhece muito bem as técnicas de PNL.

E a outra face do fenômeno “Ashtar Sheran” ? Aonde entra? Será que no caso da existência de extraterrestres e da possibilidade de que já estejam de fato contatando alguns seres humanos operariam desta maneira? Sem respeito à vida humana? Será que a evolução de uma civilização Galáctica do Tipo II, III e remotamente IV é ainda de disputas sociais, egos, competições e guerras, como a epopéia fictícia “Guerra nas Estrelas”? Se o futuro de civilizações hiper avançadas com uma tecnologia inimaginável para nós é desta forma então o que esperar de nós, “simples” seres-humanos? Como seria então o outro lado de “Ashtar Sheran” e do “contato” que investiguei e quais as possibilidades da existência do mesmo? Isto tudo reside na real possibilidade de que algo realmente de anormal e externo ao Planeta Terra (aliá, hoje acredito até em externo a este Universo ou ainda Plano de Ocorrência – Dimensão) esteja mesmo ocorrendo. Como uma das minhas especialidades é em Física de Partículas, estou sempre em contato com cientistas, pesquisadores e estudiosos do cada vez mais bizarro universo quântico e a par das últimas descobertas a respeito que dificilmente são compreendidas por quem estuda o tema, imagine então quem apenas gosta do assunto, ou ainda uma pessoa totalmente leiga? Como explicar que 90% do Universo é formado por algo que tem massa, é matéria mas é invisível e ninguém tem a mínima idéia do que seja?

Diante de todas estas pesquisas e informações, é totalmente cabível e prudente declarar então que o Fenômeno OVNI é REAL. A chamada “hipótese extraterrestre” como responsável pelo mesmo não invalida as demais. Tão pouco explica todos os casos. Porém, além de ser a mais “simples e aceitável”, é a que tem recebido mais “respaldo” das evidências apresentadas. Reais são as aeroformas; os seres; os efeitos físicos advindos da interação OVNI-SER HUMANO; os registros em radar, filmes, fotos; etc. As “abduções” e “contatos” também são reais. Se são produto de somatizações, delírios mentais, estados alterados de consciência, extraterrestres, entidades de outras dimensões, não se sabe, o fato é que reais são as cicatrizes, os temores, as testemunhas independentes, as marcas, etc. A “contaminação” de informação feita através de pessoas inescrupulosas, ignorantes ou mesmo mal-(in)formadas não justifica o ceticismo doentio que por vezes atinge a simples menção do tema e igualmente condenável é o chamado comportamento “ufolátrico”. Sendo assim, o quarteto conhecimento-percepção-discernimento-paciência parece ser a chave para que, algum dia, possamos abrir as portas que encerram os mistérios deste autêntico enigma que hoje responde pela classificação de Fenômeno OVNI.

Quando se estuda assuntos como “Ashtar Sheran” e “contatos” com extraterrestres, é necessário entender que o importante não é não errar e sim cometer erros diferentes e é por isso que enveredei por assuntos paralelos ao tema que a princípio podem parecer que nada tem a ver mas, uma atenta leitura e reflexão poderia gerar subsídios que se fossem realmente compreendidos por quem se atreve a estudar o fenômeno OVNI ou por quem insiste em rebatê-lo sentado confortavelmente em uma cadeira atrás de um computador ligado a Internet, já teria nos tirado do marasmo de mais de 50 anos em que a UFOlogia se encontra e, quem sabe, já ter gerado as condições necessárias para que um verdadeiro “salto quântico” acontecesse gerando assim condições para que um “contato inteligente” ocorresse entre a civilização do Planeta Terra e civilizações extraterrestres. Ao meu ver é fácil compreender porque uma civilização mais adiantada em relação a nós e que regularmente faz incursões por aqui, ainda não manteve um contato oficial: não existe nível para um diálogo nem entre nós, seres-humanos que habitamos o mesmo espaço de sobrevivência, imagine com entidades anos-luz da compreensão humana? Quando nos “encontramos”, com certeza “encontraremos eles”! Não se pode ter medo! Como disse o ex-governador do Distrito Federal, Cristovam Buarque em seu livro “Na Fronteira do Futuro – O Projeto da UnB”: “o medo e os riscos do ridículo são inerentes aos grandes saltos”.

O pouco que pude aprender nestes últimos anos, me deixou ainda mais consciente de que representa apenas uma ínfima parte de um todo que NÃO PODE ser conhecido numa única existência! Porêm, esta mesma diminuta parte, bem compreendida não poderia ser a melhor conclusão obtida em uma existência. Depois que se aventura neste fascinante terreno do Fenômeno OVNI que insistentemente tenta nos tirar da grande “Matrix” que a humanidade construiu em torno de si, para justificar seus erros, vaidades e egoísmos, não há como voltar atrás e fingir que nada aconteceu. O Universo dá ao ser-humano o que ele, em seu coração, encontra e assim, é como a famosa cena do épico “Guerra nas Estrelas”, aonde o jovem sedento por conhecimento rápido, Luke Skywalker pergunta ao Mestre Yoda o que existe dentro de uma caverna escura e sombria que ele deveria entrar e, o mestre, com astúcia e perspicácia responde: “lá existe o que você levar consigo”

As alternativas sobre “Ashtar Sheran” se resumem a dois pontos básicos para tentar se chegar a uma possível compreensão do que realmente está ocorrendo:

– No caso da necessidade de provas sobre a existência ou não do suposto ser, tais provas não seriam obtidas da forma tradicional que a pesquisa acadêmica está acostumada, ou seja, o erro básico é insistir continuamente que o Fenômeno OVNI e suas extensões sejam apenas um problema científico. A ciência se preocupa da observação de fenômenos naturais que se modificam aleatoriamente e sua posterior descrição, através da reprodução ou compreensão das partes que nele integram. Se, por um momento, admitirmos que alguns dos OVNI´s são “pilotados” por “extraterrestres” ou entidades inteligentes, isto de imediato implica que o fenômeno está fora e muito além do âmbito da ciência tradicional, pois não obedece a regras específicas e nem aleatórias, pois está sendo operado e controlado por alguém e só este “pequeno detalhe” já inválida toda a parafernália de metodologia científicas vigentes: é fácil estudar um pássaro ou sapo em seu habitat; é fácil capturá-los e dissecá-los em laboratório e é fácil concluir como eles funcionam mas, não se pode realizar os mesmos procedimentos naquilo que não responde a instintos naturais; naquilo que é controlado e manipulado. E é neste ponto que insisto que temos de avançar para compreender os OVNI´s e os prováveis “Ashtar Sheran´s” que se manifestam nesta nossa realidade tridimensional. Colher casos; pesquisar; realizar vigílias e tirar conclusões destas observações é lindo e maravilhoso, mas, está se esquecendo que do “outro lado” do fenômeno pode existir algo ou alguém muito mais inteligente do que nós que pode estar simplesmente “jogando” aquilo que temos capacidade para processar e compreender, ou seja, qual é, para os ufólogos, a maior fonte de informações sobre o Fenômeno OVNI? Não se originam dos próprios OVNI´s, das testemunhas e vítimas de “contatos” e “abduções” (ou seqüestros como preferem alguns)? Então, quem garante que a informação adquirida, quer seja em modo consciente, quer seja através de hipnoses regressivas é fidedigna e não implantada por hábeis mãos mágicas?

– O outro ponto reside no fato de que pessoas de várias etnias e credos que mencionam ou fazem alusão ao suposto ser “Ashtar Sheran”, também não significa evidência de sua existência. Sobre isto, temos as possibilidades do que denomino “campos informacionais” (uma espécie de campo morfogenético) e de transferência coletiva de informação; lendas; sonhos; e nada garante que alguém não tenha obtido informações sobre o suposto ser, mesmo que seja de forma inconsciente, que aliás é o estado que passamos a maior parte de nossa existência! Todo relato não pode apenas se basear no caráter da testemunha, tem de se avaliar o contexto em que o fenômeno está ocorrendo. É na análise do contexto que estão os detalhes e é nos detalhes que estão os fragmentos de explicação do Fenômeno OVNI. Hoje temos muitos detalhes do quebra-cabeça espalhados pelo Planeta; resta-nos agrupa-los e encaixa-los nos lugares corretos só que aqui tem outro detalhe! A própria ciência já chegou a conclusão de que o todo é muito mais do que a soma das partes e assim, montar todas as peças do quebra-cabeças dos OVNI´s, poderá nos dar um quadro muito mais surpreendente e fascinante do que a soma das peças. Quem sabe um dia!

E assim, estudar a existência deste e outros supostos seres é um trabalho titânico e extremamente complicado, pois as variáveis são imensas e as possibilidades de se “escorregar” e enveredar por becos sem saída é muito grande. Para investigar este assunto não é conhecendo apenas o lado científico da questão. O problema é muito mais de cunho sócio-cultural e chega a ser preocupante. Por outro lado, deixar o assunto de lado e considerá-lo simplesmente uma “farsa” ou “coisa de lunáticos” é realmente uma tentação muito forte, mas, eu diria que é uma tentação perigosa e leviana.

Uma possível conclusão é a de que se “Ashtar Sheran” foi uma invenção ingênua, os rumos que tomaram são preocupantes. Se foi algo intencional, foi muito bem bolado e planejado, pois tornou-se um excelente sistema manipulador de mentes. Se foi ou é obra de “inteligências extraterrestres” é um assunto delicado e sua pesquisa está alêm do estudo multidisciplinar, entrando no transdiciplinar; atratores estranhos; bio e nanotecnologia; mecânica quântica; teorias relativísticas; psicologia; parapsicologia; teoria dos jogos entre outras e todas utilizadas em conjunto e não separadas como no processo multidisciplinar e o tratamento das informações e conclusões deve ser feito de forma mais imparcial e impessoal possível. E, sempre tendo em mente que provar que “Ashtar Sheran” realmente existe, não prova que este ser seria um extraterrestre! Assim como provar que um OVNI existe não prova que em seu interior existam seres extraterrestres. Aliás, neste mundo altamente manipulável em que nos encontramos, deveríamos constantemente nos perguntar a quem interessa provar a existência de vida Inteligente e Consciente fora da Terra? Ou será que nós também e ainda acreditamos que não existem meios de se gerar energia de forma limpa e econômica?

Uma coisa é certa o assunto “Ashtar Sheran” não é apenas cultuado por pessoas “simples” ou “do povo”. Artistas de renome, internacional até, estão envolvidos nisso. Todos, sem exceção são pessoas altamente manipuláveis e propensas a comandos autoritários anônimos, como bem definiu Erich Fromm em seu livro “Medo a Liberdade” e brilhantemente Theodor Adorno, em “The Authoritarian Personality”. A classificação se encaixa muito bem em vários aspectos da questão ufológica, na criação de grupos e seitas e no padrão seguido por muitos “contatados”, principalmente aqueles que se dizem serem extraterrestres em missão na Terra!

PARTE 4

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

1 comentário

  1. Paulo

    ASHTAR SHERAN é a salvação…

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: