)

«

»

set 29 2016

Hubble detecta possíveis erupções de água em Europa

Olhando para a lua Europa como ela fosse um relógio, você pode ver os indícios das plumas de água na posição equivalente às 7 horas.[Imagem: NASA/ESA/W. Sparks (STScI)/USGS].
(Clique na imagem para amplia-la)

Vulcões de água

Usando dados do Telescópio Espacial Hubble, astrônomos acreditam ter identificado plumas de vapor de água emergindo de erupções da superfície da lua Europa, de Júpiter.

Se for confirmada, a observação aumenta a possibilidade de que missões exploratórias possam ser capazes de estudar o oceano de Europa sem precisar perfurar centenas de metros de gelo – assim como Encélado, lua de Saturno, acredita-se que haja umoceano líquido sob a camada superficial gelada de Europa.

“O oceano de Europa é considerado um dos lugares mais promissores para abrigar vida no Sistema Solar”, disse Geoff Yoder, da NASA. “Estas plumas, se elas realmente existirem, podem fornecer uma outra maneira de estudar a subsuperfície de Europa.”

Plumas de água

Os astrônomos estimam que as plumas subam até altitudes de cerca de 200 quilômetros. Presumivelmente, o material chove de volta sobre a superfície de Europa.

William Sparks e seus colegas estavam usando o Hubble para determinar se Europa tem uma atmosfera mais externa, ou exosfera.

Usando o mesmo método de observação que detecta atmosferas em torno de exoplanetas, a equipe fez 10 imagens ao longo de 15 meses, quando Europa passava à frente de Júpiter. Eles acreditam que pelo menos três dessas imagens mostram indícios das erupções de água.

Dúvidas

Em 2013, uma equipe liderada por Lorenz Roth também usou o Hubble para detectar assinaturas espectroscópicas de vapor de água em Europa, que pareciam atingir até 160 km de altitude.

Embora ambas as equipes tenham usado os instrumentos do Hubble, cada uma usou um método totalmente diferente para chegar à mesma conclusão – em 2013 foi usada espectroscopia para identificar moléculas de água, e agora foram usadas imagens diretas.

Contudo, até o momento, as duas equipes ainda não conseguiram detectar simultaneamente as plumas usando suas diferentes técnicas: ao ser alertada por Sparks, a equipe de Roth fez novas observações uma semana após uma das detecções atuais, mas não registrou qualquer pluma.

Bibliografia:

Probing for Evidence of Plumes on Europa with HST/STIS
William Sparks, K .P. Hand, M. A. McGrath, E. Bergeron, M. Cracraft, S. E. Deustua
The Astrophysical Journal

Fonte: Inovação Tecnológica
Editado por: Arquivo X do Brasil

 

 

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: