)

«

»

out 15 2016

Por que a vida extraterrestre (provavelmente) não será como nós?

ET – O Filme.
(Clique na imagem para amplia-la)

Considerando o tamanho do Universo, as chances de vida extraterrestre existentes em algum lugar são grandes.

Alguns cientistas até acreditam que irão encontrá-la em 2040. Mas o que uma forma de vida alienígena inteligente, na verdade, se pareceria?

A representação popular de aliens humanoides pequenos e cinzas com grandes cabeças, em geral não é muito diferente da aparência dos seres humanos.

Abaixo, você pode ver 10 razões pelas quais espécies exóticas inteligentes não se pareceriam em nada com nós.

1. O planeta deles tem gravidade diferente

Gravidade.
(Clique na imagem para amplia-la)

A gravidade é um fator chave que influencia o desenvolvimento de todos os organismos. Além de limitar o tamanho dos animais terrestres, a gravidade também força uma série de adaptações muito específicas. Podemos ver evidências disso aqui mesmo na Terra. Organismos que fizeram a transição da água para a terra tinham de desenvolver membros e esqueletos complexos, porque eles não tinham mais a flutuabilidade da água para compensar a força da gravidade. Embora a gravidade de um planeta não precisa ficar dentro de um determinado intervalo (alta o suficiente para manter uma atmosfera, mas baixa o suficiente para não esmagar absolutamente  tudo), esta gama ainda é um grande espectro nas quais a vida pode existir.

Vamos imaginar uma situação hipotética em que a gravidade da Terra é dobrada. Se isso acontecesse, não seria necessário forçar toda a vida complexa em terra para assemelhar-se, a uma criatura atarracada como uma tartaruga, mas a probabilidade de seres humanos bípedes cairia drasticamente. Mesmo que conseguíssemos manter o nosso método de duas pernas de movimento, elas certamente seria muito mais curtas e nossos ossos maiores para acomodar a força mais forte da gravidade. Enquanto isso, se a gravidade da Terra caísse para a metade, provavelmente teria o efeito oposto. Animais terrestres exigiriam menos músculos e esqueletos mais fracos para lidar com a gravidade, e a vida em geral seria mais alta e maior.

Enquanto podemos teorizar sobre as características gerais da vida em alta ou baixa gravidade, não há nenhuma maneira de prever adaptações mais sutis. Essas adaptações iriam alterar a aparência da vida alienígena ainda mais.

2. O planeta deles tem uma atmosfera diferente

Atmosfera.
(Clique na imagem para amplia-la)

Semelhante à gravidade, a  atmosfera é outro fator importante, tanto para o surgimento da vida e suas características. Por exemplo, artrópodes que viveram durante o período Carbonífero da Terra cerca de 300 milhões de anos atrás foram significativamente maiores do que suas contrapartes modernas, graças ao maior teor de oxigênio atmosférico com 35 por cento contra 21 por cento de hoje. Amostras deste período incluem a gigante libélulaMeganeura com uma envergadura de até 75 centímetros (30 polegadas), o escorpião gigante pulmonoscorpius com 70 centímetros (28 polegadas) de comprimento, e o absolutamente aterrorizante milípede Arthropleura (foto abaixo) que poderia crescer até 2,5 metros (8,2 pés). Se uma diferença de 14 por cento no índice de oxigênio pode ter um grande impacto no tamanho de um artrópode, podemos pelo menos imaginar que uma atmosfera onde o oxigênio é extremamente alto ou baixo poderia produzir algumas criaturas muito originais.

Artrópodes.
(Clique na imagem para amplia-la)

E nós nem sequer tocamos na possibilidade de que a vida pode não requer oxigênio em tudo, o que nos dá um número quase infinito de composições atmosféricas para trabalhar. O que acontece é que os cientistas já encontraram um organismo multicelular que não precisa de oxigênio aqui mesmo na Terra, então as chances de vida próspera em um planeta com uma atmosfera totalmente diferente não são tão loucas. Seres que evoluíram em um planeta desses seriam certamente muito diferentes de nós.

3. Eles são baseados em um elemento diferente

Carbono.
(Clique na imagem para amplia-la)

Praticamente toda a vida na Terra tem três requisitos bioquímicos: é à base de carbono, requer água, e tem DNA a fim de passar a informação genética para seus descendentes. Mas seria muito “terracentrismo” de nós assumir que a vida em todo o universo segue estas mesmas regras, quando poderia ser baseada em princípios completamente diferentes. Vamos dar uma olhada na primeira exigência: carbono.

Na Terra, todos os seres vivos são compostos de grandes quantidades de carbono. Há um par de razões para isso: o carbono é ótimo na ligação com outros átomos, é relativamente estável, está disponível em grandes quantidades, e pode formar moléculas biológicas complexas exigidas por organismos.

Carl Sagan.
(Clique na imagem para amplia-la)

No entanto, é perfeitamente possível que outros elementos podem tomar o seu lugar – o silício é a alternativa mais popular. Os cientistas, incluindo Stephen Hawking e Carl Sagan (foto ao lado) têm discutido essa possibilidade, com Sagan cunhando o termo “chauvinismo do carbono” para descrever a nossa pré-concepção de que o carbono deve ser a base da vida em todos os lugares. Se existir, a vida baseada em silício não se pareceria nada com o que temos na Terra. Por um outro lado, o silício requer temperaturas muito mais elevadas, a fim de atingir um estado altamente reativo.

4. Eles não precisam de água

Planeta Rochoso.
(Clique na imagem para amplia-la)

Como mencionado acima, a água é outra exigência universal para toda a vida na Terra. A água é necessária porque existe em forma líquida através de uma grande gama de temperaturas, é um solvente eficaz, atua como um mecanismo de transporte, e permite que as reações químicas tenham lugar. Mas isso não significa que outros líquidos não podem tomar o seu lugar em outras partes do universo. O substituto mais popular para a água como a base da vida é amoníaco líquido, pois compartilha muitas das qualidades da água, tais como um alto calor específico (a quantidade de calor necessária para elevar sua temperatura).

Metano Liquido em Titã.
(Clique na imagem para amplia-la)

Outra alternativa popular é o metano líquido. Um número de artigos científicos utilizando dados da sonda Cassini da NASA sugerem que a vida baseada em metano poderia mesmo existir em nosso próprio sistema solar na lua de Saturno, Titã (foto). Além do fato de que amoníaco e metano são compostos completamente diferentes da água, eles também se encontram na forma líquida a temperaturas muito frias. Perante isto, a vida com base em solventes não-água seria muito diferente.

5. Eles têm uma forma alternativa de DNA

DNA.
(Clique na imagem para amplia-la)

A terceira peça-chave no quebra-cabeça da vida na Terra é uma maneira de armazenar informação genética. Durante muito tempo, nós acreditamos que só o DNA era capaz de fazer isso. Mas acontece que há uma alternativa aqui também, e nós não precisamos nem mesmo especular. Os cientistas recentemente criaram uma alternativa sintética de DNA chamado ácido nucleico XNA-xeno. Assim como o DNA, o XNA é capaz de armazenar e transmitir informação genética e passar por evolução.

DNA.
(Clique na imagem para amplia-la)

Além de ter uma forma alternativa de DNA, a vida alienígena também poderia produzir e usar proteínas diferentes. Toda a vida na Terra utiliza uma combinação de apenas 22 aminoácidos para a produção de proteínas, mas existem centenas de aminoácidos que ocorrem naturalmente, para além dos que podemos criar em laboratório. Como tal, a vida alienígena poderia não somente ter a sua própria versão do DNA, mas também diferentes aminoácidos para produzir proteínas diferentes. Tais diferenças fundamentais sobre o nível molecular pode resultar em vida que é diferente de tudo em nosso planeta.

6. Eles evoluíram em um habitat diferente

Habitat Diferente – Outros Biomas.
(Clique na imagem para amplia-la)

Embora um ambiente planetário possa ser constante e uniforme, ele também pode variar muito, em toda a superfície do planeta. O planeta, sua vez, pode ter num certo número de ambientes completamente diferentes que têm características específicas. Tais variações criariam pressões seletivas e a vida poderia evoluir em uma grande variedade de maneiras. Considere que na Terra, temos cinco divisões: os biomas de tundra, de pastagem, desérticos, aquáticos e florestais. Cada um deles é o lar de organismos que se adaptaram a esse ambiente específico e são muito diferentes de organismos em outros biomas.

Peixe Pescador.
(Clique na imagem para amplia-la)

Criaturas do oceano profundo (como o peixe pescador), têm várias adaptações que lhes permitem sobreviver em lugares frios, sem luz e de alta pressão, juntamente com as adaptações gerais de vida na água. Esses organismos não só se parecem em nada com os seres humanos, como também seriam incapazes de sobreviver no nosso ambiente terrestre.

7. Eles são mais velhos que nós

Civilização Antiga.
(Clique na imagem para amplia-la)

Dado que o esteriótipo de que os alienígenas são raças que são tecnologicamente mais avançadas do que nós, é uma aposta bastante segura de que eles existem há mais tempo do que a humanidade. Isto é ainda mais provável quando você considera que a vida provavelmente não se desenvolveu ao mesmo tempo e ritmo ao longo de todo o Universo. Mesmo uma diferença de 100.000 anos não é nada comparado a bilhões de anos.

Isto significa que civilizações alienígenas poderia não só ter tido mais tempo para evoluir, mas também mais tempo para participar da evolução – um processo onde eles usam a tecnologia para redesenhar seus corpos para atender às suas necessidades, em vez de esperar pela evolução tomar seu curso natural . Eles poderiam, por exemplo, adaptar-se à exploração do espaço, prolongando suas esperanças de vida indefinidamente e remover outras limitações biológicas como a necessidade de respirar e comer. Tal bioengenharia certamente resultaria em um corpo de uma forma muito peculiar e podia mesmo conduzir os estrangeiros a substituírem seus corpos com peças artificiais.

Se este conceito soa um pouco louco, considere que nós mesmos já estamos nos movendo em direção a participar da evolução. Um exemplo importante é que estamos à beira de criar “bebês projetados”, embriões humanos que são geneticamente modificados para atingir determinados traços e habilidades, tais como inteligência e altura.

8. Eles vivem em um planeta órfão

Planeta Orfão.
(Clique na imagem para amplia-la)

O Sol é absolutamente crucial para a vida na Terra. Sem ela, as plantas não teria nenhuma maneira de realizar fotossíntese, e por sua vez, toda a cadeia alimentar entraria em colapso. A maioria da vida seria extinta dentro de algumas semanas. E não estamos nem mesmo mencionando o simples fato de que, sem o calor do Sol, a Terra seria coberta de gelo.

Felizmente, o Sol não vai a lugar nenhum tão cedo. No entanto, há uma estimativa de 200 bilhões de planetas “órfãos” em nossa galáxia Via Láctea. Estes planetas não orbitam uma estrela e flutuam por conta própria através do vazio escuro do espaço.

Planeta orfão.
(Clique na imagem para amplia-la)

Poderiam tais planetas terem vida? Os cientistas acreditam que, sob certas condições, é possível. A grande questão é o que sua fonte de energia seria. A alternativa mais provável para isso (sem o calor de uma estrela) é o próprio mecanismo interno de um planeta. Na Terra, esse calor interno é responsável por placas tectônicas e atividade vulcânica. Enquanto isso provavelmente não seria suficiente para a vida complexa para se desenvolver, há outros fatores a considerar.

Um mecanismo proposto pelo cientista planetário David Stevenson é que um planeta errante, com uma atmosfera muito grossa, poderia prender seu calor indefinidamente, permitindo que o planeta possa manter oceanos líquidos. Nesta espécie de planeta, a vida poderia evoluir para um nível muito avançado, semelhante à nossa vida do oceano, e talvez até mesmo fazer a transição para a terra.

9. Eles podem ser não biológicos

Seres Maquinas.
(Clique na imagem para amplia-la)

Outra possibilidade a considerar é que os extraterrestres podem existir em uma forma inteiramente diferente. Eles podem ser semelhantes aos robôs, criados por substituição dos seus corpos biológicos com peças artificiais ou criados por outras espécies. Seth Shostak, astrônomo sênior e diretor do SETI ainda acredita que esse tipo de vida artificial é inevitável, e as nossas próprias formas biológicas são apenas uma fase transitória.

Mesmo que estamos à beira de desenvolver inteligência artificial e robótica avançada; quem pode dizer que a humanidade não fará a transição para corpos robôs eternos e duráveis? Tal transição também poderia ser violenta. Figuras proeminentes como Stephen Hawking e Elon Musk alertam que a inteligência artificial poderia simplesmente se levantar e tomar o nosso lugar.

E estamos apenas riscando a superfície por pensar em robôs. E sobre seres de energia? No mínimo, alienígenas de energia fazem sentido prático. Tal forma de vida não teria nenhuma das limitações de um corpo físico e poderia mesmo ser uma atualização teórica para a vida robótica mencionada acima. Um ser de energia certamente não se pareceria em nada com um ser humano, uma vez que não teria nenhuma forma física ou fala.

10. Possibilidade aleatória

Evolução.
(Clique na imagem para amplia-la)

Mesmo após a contabilização de todos os diferentes fatores listados acima, o poder do acaso não pode ser subestimado. Tanto quanto sabemos, não há nada a sugerir que toda a vida altamente inteligente deve desenvolver uma forma de corpo humanoide. E se os dinossauros não fossem aniquilados? Será que um deles desenvolveria inteligência como os humanos? E se um animal completamente diferente evoluísse para a forma de vida mais inteligente na Terra, em vez de nós?

Inteligencia.
(Clique na imagem para amplia-la)

Para ser justo, nós provavelmente teríamos que limitar o número de potenciais candidatos aos grupos animais de aves e mamíferos mais avançados. Mas isso ainda deixa uma infinidade de possíveis espécies que poderiam ter desenvolvido níveis de inteligência comparável aos seres humanos. Animais como os golfinhos e corvos são muito inteligentes em seu próprio direito e poderiam muito bem estar em nossos lugares como os governantes da Terra.

A vida pode evoluir em um número infinito de maneiras, por isso as chances de produzir seres inteligentes semelhantes a nós em outras partes do Universo são astronomicamente baixas.

Vídeo “VIDA EXTRATERRESTRE – BÚSQUEDA CIENTÍFICA : DOCUMENTAL COMPLETO” (Espanhol)


.

Fonte: Universo Racionalista
Editado por: Arquivo X do Brasil

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: