)

fev 04 2017

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães – A História Oculta [Parte 3]

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Mais do que o ouro, o dólar de hoje é uma medida contra o valor da energia. E assim finalmente, do ponto de vista da segurança do Estado, este se tornou o maior segredo de todos. Com energia livre vem a livre mobilidade e acaba-se a pobreza. Com a energia livre e a livre mobilidade acabam-se as fronteiras e lá se vão os controles sobre a população.

Este efetivamente seria o fim do jogo, a obsolescência de toda a sua ameaça externa, a viagem baseada no medo. Nós daríamos boas bvinda a uma comunidade mundial bem informada, e globalmente educada. Nós Saberíamos e não poderiam mais nos “dizer”…. Há aproximadamente seis anos, um amigo e eu estávamos andando de motocicleta no Parque Sequoia. Um fogo estava queimando ao pé das montanhas e centenas de milhas quadradas tinham sido bloqueadas, totalmente fechadas. Um caça Stealth tinha descido. Ele não poderia ter sido um grande negócio se o presidente tivesse estado a bordo. Eu agora sei, em virtude das minhas pesquisas, que este avião havia partido provavelmente da Estação Naval de Testes de Groom Lake, Nevada.

Eu nunca esquecerei da história do acobertamento do caça stealth da revista Popular Mechanics. A segunda onde vi uma foto desta nave que verdadeiramente tem uma aparência estranha, e disse a mim mesmo: “este pássaro tem um disco danado nele!”. O artigo mostrava todas as vistas e forma que facilmente abrigariam um disco horizontal. A diferença mais importante entre ele e as outras naves estava em sua forma angular. A palavra era, disse o artigo, que a angularidade era para a invisibilidade ao radar. Tolice!

Porque então, o bombardeiro stealth está lutando por esta mesma indetectabilidade, brilhante e liso em um grau oposto? Porque o caça stealth é angular enquanto todas as aeronaves modernas convencionais continuam a ser macias e lustrosas para suavizar a resistência do ar? Eu penso que isto seja porque para o caça stealth, como para as outras aeronaves gravlevs, a resistência do ar seja inexistente. Porque então o governo, quando as utilizou no Panamá e no Iraque e em quase todos os treinamentos, só as fez voar a noite?

E você viu, no documentário de “The Panama Deception”, os corpos, pensando que tinham sido cozidos por armas experimentais de raios em “Operation Just Cause”—o primeiro combate dos caças stealth?

Porque, nos relatórios de Baghdad, os caças Stealth  foram vistos como luzes azuis quando qualquer luz derrotaria a sua invisibilidade? E ainda interessantemente, porque, como declarado no artigo de Pop-Mech, os mecânicos que trabalhavam neles chamavam a unidade de propulsão de “motor fritadeira?”

E exatamente agora, quem, em nossa “New World Order” sem nenhuma ameaça externa militar relevante, está mantendo estes segredos? Talvez seja o nosso benevolente Big Brother que não quer que espionemos ao redor deste assunto secreto, de fato, para o nosso próprio bem.

DISCOS VOADORES NAZISTAS E A BOMBA ATÔMICA

Milton Keynes, Inglaterra, não é o tipo de lugar onde se esperaria obter uma nova informação sobre os discos voadores da vida real. Mas depois de nosso recente relato de uma aeronave em forma de disco no Canadá,. os projetos top secret americanos e os desenvolvimentos alemães de naves como estas durante a Segunda Guerra Mundial, um pesquisador de SIGHTINGS recebeu uma carta do leitor D. Robin Stowell.

Nesta carta, Stowell nos alertava para o livro, ‘Brighter Than A Thousand Suns’. Uma história autêntica da construção da primeira bomba atômica. Stowell datilografou o manuscrito original a quase 40 anos atrás. E nunca se esqueceu desta breve referência ao disco nazista que podia superar em manobras qualquer das aeronaves aliadas.

Quatro décadas depois da publicação, Stowell encontrou E uma cópia deste livro que está esgotado e confirmou o que ele se lembrou. A nota de roda pé descreve os discos alemães que tinham 45 jardas [0,91 * 45 = 40,95 metros] e eram capazes de alcançar velocidades acima de Mach 1 e subir em elevação acima de aproximadamente 8 milhas. Alguns especialistas acreditam que estes discos nazistas podem ter sido os responsáveis pelos legendários avistamentos dos Foo Fighter sobre a Europa no final da Segunda Guerra Mundial . Mas se era mesmo isto, todavia não fica explicado porque foram os foo fighters vistos sobre o Pacífico, no mesmo período.

O livro de Jungk’ é agora um clássico. Bertrand Russell disse sobre ele: “um dos livros mais interessantes que eu já li. Mas excitante que qualquer novela.”

Robert Jungk nasceu em Berlim, filhos de pais judeus austríacos, em 1913 e tinha 19 anos quando Hitler subiu ao poder. Ele se tornou um cidadão americano em 1950. Seus artigos e livros tem sido publicados em mais de uma dúzia de países. 
Aqui está um pedaço do texto e as notas de rodapé que acompanham o livro (Harcourt Brace & Company edição brochura, que, a propósito, está disponivel, p. 87f):

“A indiferença de Hitler e daqueles com ele na pesquisadas ciências naturais chega a ser uma hostilidade positiva.” Durante um curto período, isto tinha custado a Hitler a boa vontade dos cientistas. Somente um punhado deles, ambiciosos ou porque houvessem fracassado em estabelecer sua maraca antes do advento do Terceiro Reich, ofereceram completa cooperação a Hitler . 
A única exceção pela falta de interesse demonstrado pela autoridade era o Ministério do Ar. A pesquisa da Força Aérea [os trabalhadores] estava em uma posição peculiar. Eles produziram novos tipos interessantes de aeronaves como o Delta (triangular) e “discos voadores”. O primeiro destes “discos voadores”, como mais tarde foram chamados, eram de forma circular, com um diâmetro de mais ou menos 45 jardas, foram construídos pelos especialistas Schriever, Habermohl e Miethe. Eles foram testados inicialmente sobre Praga, em 14 de fevereiro de 1945, e em três minutos alcançaram uma altura de quase 8 milhas, em uma velocidade de 1250 m.p.h. que foi duplicada nos testes subsequentes. Acredita-se que depois da guerra Habermohl caiu nas mãos dos russos. Miethe em uma data posterior desenvolveu “discos voadores similares” na A. V. Roe and Company para os EUA.

Estes eram principalmente engenheiros. Aqueles engajados nas pesquisas teóricas somente cooperaram em casos excepcionais. É verdade que os técnicos da ONU, depois da ocupação da Alemanha, encontraram milhares de novas invenções militares lá. Mas elas sempre se referiam a ação prática e ao aperfeiçoamento técnico dos princípios científicos bem conhecidos.”

PRIMEIRAS REFERÊNCIAS

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

As primeiras referências à existência de discos voadores alemães surgiram a partir da década de cinqüenta em várias revistas oeste-alemãs, como a Der Spiegel e a Luftfahrt International. Em 1959, o livro do antigo major da Wehrmacht, Rudolph Lusar “German Secret Weapons of the Second World War” (Londres, Neville Spearman ltd., 1959) ao lado de armas cuja existência não pode ser questionada apresentava todo um capítulo com o nome “Discos Voadores”. Os primeiros projetos relativos à construção de aeronaves discóides remontam ao ano de 1941, quando dois técnicos alemães, o Flugkapitan Rudolph Schriever (que anunciou a sua construção depois da guerra terminar), Habermohl e um italiano, Bellonzo, apresentaram ao governo nazi os seus desenhos. O primeiro protótipo seria testado na Primavera de 1941, segundo algumas fontes, segundo outras em Agosto na secção Este da fábrica BMW em Praga.

Em 1944, Schriever, Habermohl, Miethe e Bellonzo construíram um aparelho de maiores dimensões do que o primeiro, usando as mesmas turbinas a jacto produzidas pela BMW. Segundo Renato Vesco este aparelho “O Kugelblitz (nome de código do V-8) que combinava um equipamento de tiro electrostático com um de microondas fabricado pela Patent-Verwertungs Gesellschaft de Salzburgo, instalados numa massa compacta de asas, cauda e fuselagem como os aviões vulgares, mas não sendo semelhante a eles em forma ou performance.” Estas referências surgiram em 1975 na revista aeronautica oeste-alemã Luftfahrt International onde se escrevia que Schriever falecera em 1950 e que nos seus papéis tinham sido encontrados planos e textos mencionando grandes discos voadores. Bellonzo teria morrido nos anos subsequentes ao final do conflito, quanto a Habermohl, o terceiro cientista envolvido neste projeto, teria sido capturado pelos soviéticos perdendo-se-lhe depois o traço. Uma outra fonte que refere o V-8 pode ser encontrada num relatório a Mussolini, do seu SID – datado de Janeiro de 1944:

“Fonte fiduciária comunica que o corpo aeronáutico das SS e o Estado maior técnico deste corpo, fazendo suas as instâncias prementes do marechal Goering para a preparação do caça resoluto, fizeram confluir na reunião industrial das G. Werke todo o progresso aeronáutico do último biénio. O acopulamento do princípio do aeromotor de planta redonda (Žraio redondoŽ: Kugelblitz) com a estabilização giroscópica do grisu sintético, com o canhão múltiplo a pressão, com a pilotagem radiotelevisiva e com a descolagem e aterragem verticais, são o último invento de um novo avião a reação redondo, uma espécie de ‘disco’, que faz lembrar alguns desenhos antigos.” Segundo Schriever um modelo de pré-produção estava pronto e preparado para entrar em testes numa unidade operacional quando em Abril de 1945, perante a aproximação das forças aliadas, o engenho foi destruído e os seus planos destruídos ou roubados. Teria sido este engenho que Georg Klein observou em 14 de Fevereiro de 1945, um testemunho que é contradito pelo Diário de Guerra da 8ª Força Aérea dos EUA onde se refere que esse dia foi um dia de nuvens baixas e de fraca visibilidade, certamente não o dia ideal para testar o único protótipo de um tipo revolucionário de disco voador. Exdeptuando as fontes do SID, os restantes elementos sobre estes engenhos voadores provêem dos seguintes artigos publicados em revistas oeste alemãs:

“Untertassen-Flieger Kombination”, Der Spiegel, 30 de Marco de 1950. “Fliegende Untertasse in Deustschland erfunden””, Sonderbericht der Deutsche Illustrierte, S.1350, 1951. “Fliegende Untertassen-eine Deutsche Erfindung”, Criticus, No. 26, Junho 21, 1952. “Die Deutsche Fliegende Untertassen”, Das Ufer-die Farb-Illustrierte, No. 18, 1 de Setembro de 1952. “Flugscheibe flog 1945 em Praga”, entrevista com Georg Klein, Welt am Sonntag, 25 de Abril de 1953. “Wunderwaffen 45” Bild am Sonntag, Fevereiro 17 de 1957. “Die UFOs-eine deutsche Erfindung”, Das neue Zeitalter, 5 de Outubro de 1957. “Flugkreisel, irdisch”, Geun &Welt, No. 14, 2 de Abril de 1959. “Deutsche UFOs schon 1947/48 einwandfrei beobachtet”, Das neue Zeitalter, 6 de Fevereiro de 1965. “Projekt Flugkreisel”, Bremerhavener Zeit (fotocópia não datada); e “Deutsche Flugkreisel”, Luftfahrt International, No. 9, Maio/Junho, 1975.

Tratava-se de um aparelho discoide construído sob a supervisão pessoal de Miethe que teria efetuado um único voo bem sucedido em 4 de Fevereiro de 1945, atingindo 11.450 metros de altitude em 3.12 minutos e sendo capaz de desenvolver uma velocidade de 1.960 km/h em voo horizontal (segundo Lusar: “subiu a uma altitude de 12.400 metros e alcançou uma velocidade de 2.000 km/h em voo horizontal”). Antes deste protótipo bem sucedido terão sido construídos vários outros, com um sucesso bem menor, pois teriam explodido em pleno voo, vitimando um total de 18 pilotos de ensaio.

Estas experiências eram conduzidas por Miethe nos laboratórios do 10º Exército em Essen, Dortmund, Stettin e Peenemunde. Dado o recuo da frente, o último local de testes acabou por recuar até Breslau (segundo Vesco, em Kahla, na Turíngia), cidade também acabaria por ser ocupada pelas tropas soviéticas. Seria então que segundo uma versão norte-americana, três engenheiros e uma grande quantidade de documentos seriam capturados, carregados em automóveis e enviados a toda a pressa para Kubiscev, no Volga, e, depois, para lá dos Urais. Ainda segundo esta versão, o Eng. Miethe teria escapado à captura fugindo a bordo de um Messerchmitt e alcançando o Cairo, onde encontrou refúgio sendo ajudado por algum tempo pelo quartel general da Liga Árabe. Algum tempo depois, mudar se-ia para Telavive onde se sabe que vivia em 1947, altura a partir da qual se lhe perdeu completamente o rastro.

Os motores da V7 possuíam um compressor de seis estádios, uma câmara anular de combustão e uma turbina especial, particularmente estudada para os voos estratosféricos, dado que o aparelho podia ultrapassar 20 mil metros de quota. Os turbopropulsores internos estavam munidos de dispositivos de pós-combustão, que foram encontrados pelos soviéticos em Berlim-Baasdorf, onde uma parte dos colaboradores de Miethe tinham instalado um laboratório particularmente apetrechado para as pesquisas neste campo. Os turbo reatores da V7 eram acionados por uma mistura comprimida a base de hélio. Os reservatórios externos do gás, colocados sob o aparelho, eram blindados. Sabe-se que efetivamente a BMW realizou alguma pesquisa em turbinas a gás nas suas instalações subterrâneas em Wittringen, nas cercanias de Saarbrucken, que depois seriam transferidas para sete complexos subterrâneos na Turíngia e Nordhausen, nas montanhas do Harz.

“O disco”, disse Miethe na sua entrevista a uma revista leste/alemã acima referida: “não estava armado. Decidirão confiando na sua prodigiosa velocidade e nas altas quotas que podia atingir. Um dos meus colaboradores, feito prisioneiro pelos russos, dizia a este respeito: ‘Equipem a V7 com 17 ou 18 canhões de 20 mm e torná-lo-ão tão pesado que será obrigada a voar a baixa quota.’ Eliminando o armamento, estará em condições de defender-se porque poderá alcançar quotas elevadíssimas. Com efeito, o disco podia alcançar 20 km de quota com um raio de ação de 41 milhas e uma velocidade supersônica. Com efeito, a V7 tinha poucas probabilidades de ser interceptada pelos caças inimigos. O meu aparelho podia ser guiado em percursos bastante consideráveis por uma tripulação de 3 homens e em distâncias superiores a 18/20 mil quilômetros, pelo posto de rádio da base de partida.”

O aspecto final da V-7, segundo a versão americana, era o de um disco olímpico com um diâmetro de 42 metros. Doze turbinas estavam dispostas a iguais distâncias no interior de um anel metálico móvel, anel que podia girar como a coroa de um giroscópio, em volta de um corpo central esférico e imóvel, que continha uma cabine pressurizada para pilotagem e as instalações de rádio e radar. Em volta dos reservatórios podiam colocar-se bombas de pequenas dimensões. A descolagem da V-7 podia ser conseguida em menos de 16 segundos a partir de uma rampa vertical, embora também fosse possível sem ela como um helicóptero. O lançamento era provocado por um propulsor acionado por oxigênio líquido e álcool etílico. A V7 era construída com ligas metálicas refratárias, isoladas térmicamente.

Miethe faz uma outra descrição do seu V7 num relatórioenviado para Hitler em 17 de Abril de 1944, aqui se lê: 
“Hoje, 17 de Abril de 1944, na presença de três coronéis da Luftwaffe, foi experimentada sob as minhas ordens no céu do Báltico a Vergeltungswaffe 7. Passo a referir as suas características gerais e os serviços que prestou: 

  • A V7, helicóptero supersônico equipado com 12 turborreatores BMW 028, alcançou, na primeira vez, a altitude de 20.803 m e, na segunda, de 24.200 metros.
  •  Em terra, o motor-piloto desenvolve 5500 cv no eixo e 2600 kg de pressão adicional. Durante o voo, 5400 cv e 2900 kg.
  • O combustível base é o hélio. 22 metros cúbicos deste gás são suficientes para 16 horas e 10 minutos de voo.
  • Em Peenemunde a partida efetuou-se de uma rampa de lançamento vertical em 15 segundos e 8 décimos.
  • O aparelho poderá ser acionado por energia nuclear.”

Uma publicação distribuída em 1978 durante uma exposição científica na Hanover Messe Hall dos aquartelamentos do exército britânico na Alemanha, com o nome “Brisant” referia a dado ponto os engenhos voadores do Projekt Saucer de Miethe e afirmava que os centros de desenvolvimento desses engenhos se localizavam na Boémia e Mahren. Dizia ainda que os planos tinham sido submetidos ao gabinete de patentes sob o parágrafo 30a e 9 do Patent-und-Strafgesetsbuch, ou seja, classificados de “Secretos” e entregues aos estabelecimentos de pesquisa sob controlo direto das SS. O artigo mencionava ainda que esses planos tinham sido capturados pelos soviéticos, e, numa minoria, por britânicos e norte-americanos.

OUTROS AVANÇOS

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

A avançada tecnologia de Hitler incluía mísseis balísticos intercontinentais, aeronaves de dolagem verticais, motores a jato, canhões de som, e muitos outros itens avançados, Os Aliados capturaram planos do que viria a ser o jato jumbo Boeing 747. Entre os itens mais secretos capturados estavam os planos para os discos voadores, que eles primeiramente chamados de “Krautmeteors.” Baseado na evidência, eles eram construídos tão cedo como ao redor de 1933 e entraram em produção em massa em 1940. Os cientistas envolvidos nestes projetos foram Bellonzo, Schriever, Miethe e Victor Schauberger. Schauberger desenvolver o tipo de disco “chapéu voador ” que mais tarde foi visto sobre os EUA. A versão final foi o Disco de Bellonzo-Schriever-Miethe, que tinha de tamanho 135 pés e mais ou menos 225 pés de diâmetro. Eles viajavam acima de 2,000 km/hr e foram planejados para irem além de 4,000 km/hr. Em 1945 eles podiam alcançar a velocidade de 1.300 mph e uma altitude de 40.000 pés em menos de três minutos. Os alemães desenvolveram a nave em asa delta e estavam trabalhando na tecnologia stealth, etc. Muitos pilotos viram naves estranhas sobre a Alemanha. Entretanto, tão logo as naves eram construídas, Hitler ordenou que fossem desmontadas e embarcadas para algum lugar, provavelmente Antártica. Nenhuma das naves foi capturada pelos Aliados, embora alguns cientistas tivessem sido capturados e então em sua maioria desaparecessem, nas podem de alguma forma serem rastreados para a Bell Textron e para lugares como a Área 51, que ,surpresa!, é muito famosa por seus avistamentos UFO. Aqui estão alguns exemplos de notícias durante a Segunda Guerra Mundial a respeito dos UFOs alemães, que foram publicadas no *New York Times:*

*NEW YORK TIMES,* 14 de dezembro de 1944:

“Misteriosa Bola Flutuadora É a Nova Arma Alemã. Quartel General Supremo, Forças Expedicionárias Aliadas – 13 de dezembro. Uma nova arma alemã fez seu aparecimento no front aéreo ocidental, foi revelado hoje. Pilotos da Força Aérea americana relatam que encontraram esferas coloridas prateadas no ar sobre o território alemão. As esferas foram encontradas sozinhas ou em clusters. Algumas delas eram semi translúcidas.”

“SUPREME HEADQUARTERS 13 de dezembro (Reuters). Os alemães produziram uma arma secreta e mantiveram esta paqra a estação do Natal. O novo aparelho, aparentemente uma arma de defesa aérea, se parece com uma enorme bola de vidro que adorna as árvores de Natal. Não há informação disponível sobre o que as mantém como estrelas no céu, o que são elas ou que supostamente elas se propõem a fazer.”

A GUERRA DAS ILHAS FALKLAND

A Guerra das Ilhas Falkland tem muito mais a ver com nazistas que com a Argentina, para mais detalhes do queaconteceu por favor busque em *Phoenix Journals.*

Os alemães de sua base da Antártica, começaram a se infiltrar na Argentina, Chile, etc., e compraram grandes porções de terra e infiltraram corporações. Eles também investiram na Alemanha e em vários outros lugares com planos para voltarem. Eles usaram o tesouro alemão, capturados por outras nações, e falsificaram o dinheiro americano imprimindo em verdadeiras placas de dadas aos russos e capturados pelos alemães.

Algumas placas foram roubadas pelo Secretário Assistente do Tesouro Americano Harry Dexter White (nome verdadeiro Weiss) sob Henry Morgenthau e enviadas aos soviéticos para uso na Alemanha ocupada. Ele também arranjou um roubo em massa de toneladas do nosso papel moeda especial. Quando J. Edgar Hoover foi até o Presidente Truman com todas as evidências que o Secretário Assistente do Tesouro era um espião comunista e ladrão, Truman de fato demitiu Weiss (White) de seu emprego –e o promoveu para chefe do Fundo Monetário Internacional. Não estou brincando com você não, é verdade. Esta história toda tem um fim mais que comum quando a controvérsia desenvolvida pela imprensa começou a preocupar o incidente, Weiss veio a “suicidar”.

O MILAGRE ECONOMICO ALEMÃO

Para mais informações sobre como foi obtido “o milagre econômico alemão” do pós guerra, você deve ler livros como *Martin Bormann, Nazi in Exile* de Paul Manning (“…Bormann se tornou a força diretiva no “milagre econômico” que conduziu ao renascimento da indústria e das finanças da Alemanha nos trinta e cinco anos que se seguiram a derrota política e militar. Nos meses finais da Segunda Guerra Mundial, quando o Terceiro Reich já estava balançando e caindo vencido, Bormann criou 750 corporações espalhadas entre aquelas nações que permaneceram neutras. Estas corporações receberam a riqueza que fugia da Alemanha e se tornaram a base de poder que capacitou a Alemanha a se reerguer a sua força econômica e política..” da “orelha”). Este livro se expande no encontro em Strasbourg em 10 de agosto de 1944, mencionado no livro de Michael Bar-Zohar, *The Avengers.*

Em 1986, quando estávamos pesquisando estes assuntos, recebemos 161 páginas sob o FOIA a respeito do que aconteceu com o tesouro alemão no fim da Segunda Guerra Mundial. Muitos destes documentos tinham estado secretos até que a desclassificação atendeu a nossa solicitação. Um documento era o de No. 19.489, de 27 de novembro de 1944, assunto: Relatório de Transmissão de Inteligência No. EW-Pa 198 [?, pouco legível] pela Seção Economica G-2 , o Secretário de Estado, do Lt. Col. John W. Easton, da Divisão de Guerra Econômica.

A carta de cobertura afirma “Tenho a honra de incluir o relatório de inteligência No. EW-Pa 198 da Seção Econômica G-2 , SHAEF [*QG Supremo das Forças Aliadas Expedicionárias] datado de 7 de novembro de 1944, descrevendo os planos dos industriais alemães para a ressurreição pós guerra da Alemanha. Entro os tópicos abordados neste relatório estão”patentes, reservas financeiras, exportação de capital, e colocação estratégica de pessoal técnico .” É óbvio que Manning fez citações com base nestes documentos em seu livro sobre Bormann.

Na descrição do encontro de 10 de agosto de 1944, em Stasbourg, algumas frases no documento estabelecem: “os industriais alemães devem, foi dito, por meio de suas exportações fortalecerem a Alemanha. Eles também devem preparar a eles mesmos para financiar o Partido Nazista que será forçado a ir para o subterrâneo como os in (em Gebirgverteidigungsstellengehen). Por agora o governo alocaria grandes somas aos industriais para que cada um possa estabelecer uma fundação segura pós guerra em países estrangeiros.

As reservas financeiras existentes em países estrangeiros devem ser colocadas a disposição do Partido para que um forte Império Alemão possa ser criado depois da derrota. Também é requerido imediatamente que grandes fábricas na Alemanha criem pequenos escritórios técnicos ou bureaus de pesquisa que possam ser absolutamente independentes e não tenham qualquer relação conhecida com a fábrica. Estes bureaus receberão planos e desenhos de “novas armas” bem como documentos que eles necessitem para continuarem sua pesquisa e que não se pode permitir que caiam nas mãos do inimigo. “

As últimas sentenças deste documento são, “Depois da derrota da Alemanha o Partido Nazista reconhece que certos de seus mais conhecidos líderes serão condenados como criminosos de guerra. Entretanto, em cooperação com os industriais está se arranjando colocar seus membros menos conspícuos mas muito importantes nas posições de várias fábricas alemãs como especialistas técnicos ou membros de seus escritórios de pesquisa e desenho.”

Alguns documentos eram a respeito do “Looted Gold [ouro ususpado] (1945-1948). Accession Number 56-75-101, Agency Container Number 169, File Number BIS/2/00.” Estes documentos dizem respeito ao ourto usurpado pelos alemães sendo transferido para o Bank for International Settlements na Suíça. Um parágrafo importante diz (#9): ” está claro tanto na correspondência quanto no testemunho que o gerenciamento do B.I.S. durante a guerra estava nas mãos do Conselho de Administração, no qual os representantes do Eixo tinham uma influência autoritária, e que em 1942 os alemães favoreceram a reeleição do Presidente McKittrick cujas opiniões pessoais eles caracterizavam como “seguramente conhecidas”.

Incluído neste arquivo está um recorte do *New York Times,* cuja data não está incluída mas parece ser de 1945, que afirma : “McKITTRICK CONVIDADO PARA UM POSTO NO CHASE. Ele estará sob as ordens como vice presidente do banco aqui, no próximo outono. Thomas H. McKittrick, o banqueiro americano que tem servido como presidente do Bank for International Settlements [B.I.S.] desde o início de 1940, se tornará o vice president e do Chase National Bank de New York no próximo outono, anunciou Winthrop W. Aldrich, presidente da diretoria do Chase, ontem.” O artigo termina citando McKittrick: “Entendo ser meu dever realizar uma tarefa neutra em tempo de guerra. Isto é uma coisa extremamente difícil de tentar e de fazer, mas faço o melhor que posso.”

Um outro documento antigo desclassificado era : “Conversa na Suiça com Mr. McKittrick, Presidente do Bank for International Settlements” de Orvis A. Schmidt para o Secretário do Tesouro Morgenthau, datado de 23 de março de 1945. Ele descreve as negociações de McKittrick com o verdadeiro chefe do sistema bancário nazista, um vice presidente de nome Puhl.

OUTROS AVANÇOS

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

“Puhl foi descrito por McKittrick como um banqueiro profissional que tinha estado com o Reichsbank por mais ou menos 20 anos, que não partilhava do ponto de vista nazista… o Swiss National Bank disse que para se assegurar que eles não obtinham ouro usurpado eles tinham requisitado um membro do Reichsbank, que eles viam como digno de confiança, para se certificarem que cada pacote de ouro que eles compravam não era usurpado. A pesSoa que tinha feito este trabalho era Puhl.” Puhl era o Vice Presidente Senior do eichsbank , Emil Johann Rudolf Puhl. Ele estava no comando de receber o botim pelo banco e estava lá por causa dos nazistas. Seu auxiliar de embarques senior era Albert Thoms que dizem que precisava de trinta homens para ajuda-lo a separar e empacotar os valores, que consistiam em “milhões de marcos de ouro, libras esterlinas, dólares e francos suíços, 3.500 libras de ouro, e 4.638 carats [quilates] em diamantes e outras pedras preciosas, bem como centenas de peças de trabalhos de arte ” (p. 226, *Aftermath,* Ladislas Farago, Avon, 1974) Este material foi embarcado para fora do país por uma operação de nome Fireland ou Aktion Feuerland na Alemanha, que Farago explica em uma nota de rodapé em seu livro sobre Bormann: “A transação foi nomeada ‘Land of Fire’ por causa do arquipélago Tierra del Fuego na extremidade sul da Argentina e do Chile, a área para onde alguns embarques originais eram consignados” (p. 228). Na página seguinte Farago disse : “Somente uma parte relativamente pequena do tesouro das SS foi confiada a Bormann e mandada para a Aktion Feuerland. A maioria deste tesouro ainda está desaparecida.”

A Alemanha tinha adquirido a auto-suficiência e estava manufaturando seu próprio petróleo, produzindo “manteiga” de carvão, inventou o leite em pó, desenvolveu o congelamento a seco, aprendeu a estocar indefinidamente farinhas, estavam desenvolvendo sua própria comida em estufas com solo químico, etc. Estes projetos foram necessários também para a sobrevivência da secreta força UFO, que Hitler chamou de “Último Batalhão, na Antártica.

A falsificação do dinheiro americano e inglês foi sob a Operação Bernhard. A falsificação do dinheiro britânico tem sido discutida em livros e artigos sobre Bernhard, mas a falsificação da moeda americana não é tão bem conhecida . Recentemente os EUA anunciaram que estava emitindo um novo dinheiro para combater a falsificação, que foi dito estar vindo de Saddam Hussein e do Líbano. Seria mais correto dizer estar vindo da América do Sul, mas o dinheiro de lá supõe-se ser todo dinheiro de drogas. A vida se torna muito complicada.

Quando o jornal *CONTACT* primeiramente publicou a série *Fire From The Sky,* seguiu-se uma reimpressão da informação sobre a verdade sobre as Ilhas Falklands. Naquela série, foi revelado que os russos, trabalhando com as forças de Rockefeller, derrotaram as forças britânicas Bolshevik na Ilha Geórgia do Sul.

Se você não leu aquela série, esta informação pode não fazer qualquer sentido, se você tentar entender o que está acontecendo. As forças nazistas estiveram envolvidas na Guerra das Ilhas Falkland, do lado dos russos. É difícil de acreditar se você não tem idéia do que é.

Os russos eram nacionalistas, em oposição aos Zionistas Bolsheviks que tomaram o país deles. Os Zionistas Bolsheviks foram treinados na parte inferior do lado leste de New York City e financiados por banqueiros de New York e Londres. Eles invadiram a Rússia, mataram o Tzar e muitos Nacionalistas e tomaram o governo.

Agora você pode começar a ver como alguém como Boris Pash, com um fundo familiar nacionalista russo, pode trabalhar com a Gestapo nazista e os agentes das SS? Mesmo o General americano George Patton disse que devíamos ter nos aliado aos nazistas contra os Bolshevik Comunistas. Patton disse que havia uma conspiração internacional dos banqueiros zionistas internacionais que era os problemas mundiais (veja *Patton’s Papers,* Vol. 2, p. 735 for example).

Em 1982, em 20 de abril, dia de aniversário de Hitler, a força de comando Russo/Rockefeller/Nazista irrompeu e colocou uma bomba de neutron na base naval subterrânea na Ilha Geórgia do Sul.

Para mais sobre a história do que aconteceu realmente na crise das Ilhas Falklans, leia a matéria de 17 de janeiro de 1995, do jornal *CONTACT: The Phoenix Project* ou Phoenix Journal #13, *Skeletons In The Closet. (Contact,* Inc., P.O. Box 27800, Las Vegas, NV 89126 or call 1-800-800-5565. For *Phoenix Journals,* write Phoenix Source Distributors, Inc., P.O. Box 27353, Las Vegas, NV 89126 or call 1-800-800-5565. The phone numbers are the same, but the mailing addresses are different.) 
Alexander Haig foi o General representante dos Rockefellers. Em seu livro *Caveat,* o capítulo sobre as Falklands começa: “Em 28 de março de 1982, um domingo, o Embaixador Britânico, Nicholas (“Niko”) Henderson, trouxe-me uma carta de Lord Carrington. Um grupo de argentinos, escreveu o secretário do exterior, tinha chegado nove dias antes na ilha da Geórgia do Sul, uma possessão inglesa que fica no Atlântico Sul a uns poucos graus acima do Círculo Antártico e mais ou menos a 600 milhas a leste das Ilhas Falkklands, uma colônia da Coroa Britânica.” Eu aposto que você pensou que a Guerra das Ilhas Falklands era sobre as Ilhas Falklands!

A mídia tem enfeitado muito o conflito entre Jeane Kirkpatrick e Alexander Haig. Kirkpatrick é uma Zionista e foi Embaixadora dos EUA na ONU. Ela tem uma coluna regular no jornal *The Jewish Press*, “O Maior Jornal Independente Semanal Anglo-Judaico”. Haig tinha tido um longo relacionamento com Henry Kissinger, de quem Haig veio a ser conselheiro militar senior em 1969. Lembre-se que Kissinger veio do pessoal da Operação Paperclip.

Em janeiro de 1982, Reagan substituiu seu conselheiro de segurança nacional, Richard Allen, por William P. Clark, outra pessoa do Paperclip , que era substituto de Haig. Nixon disse, “Quando você vê luzes acesas até tarde no escritório de Henry [Kissinger] geralmente é Al Haig.” (*War In The Falklands, the Full Story* by the *Sunday Times* of London Insight Team, Harper & Row, New York, 1982, p. 123.)

FATOS DESCONHECIDOS SOBRE A TRANSIÇÀO DO PÓS GUERRA DE ADOLF HITLER E O TERCEIRO REICH

O que você irá ler aconteceu 54 anos atrás e ainda é história não documentada. Soube desses fatos a 54 anos, mas somente partilhei essas preciosas lembranças, ocasionalmente, em sessões fechadas de alguns workshops que dei sobre Ufologia. Há aproximadamente dois anos atrás, em Zurique, na Suíça, tomava café da manhã com meu velho amigo, o professor James Hurtak, autor do excelente livro, The Keys of Enoch. Jim e eu somos parceiros e amigos há mais de 20 anos, mas devido aos nossos vários compromissos nos encontramos sempre rápida e ocasionalmente.

Nesta manhã de janeiro de 1997, enquanto tomávamos café, Jim contou-me que a Comunidade Internacional de Inteligência afirmava que Hitler havia sido levado do planeta por um UFO. Jim perguntou-me se eu sabia algo a respeito e respondi-lhe que não. Imediatamente, no entanto, comecei a pensar no assunto. Neste meio tempo, Jim deliberadamente foi atender a um telefonema no quarto e desde então passei a não vê-lo mais com os mesmos olhos. Imediatamente após sua partida, enquanto pensava, conclui: “Meu Deus! A Inteligência está correta”, e quando avançarmos neste tema você, provavelmente, também concordará comigo.

Neste ponto, voltemos no tempo, para as últimas horas da II Guerra Mundial e a rendição de Hitler e do Terceiro Reich. Para começar, Hitler e sua esposa, Eva Braun, não morreram no bunker em Berlim, como afirmado pelas Forças Aliadas. Isto finalmente foi provado pelas radiografias tiradas das arcadas dentárias dos cadáveres. Esta mentira, no entanto, teve seus méritos psicológicos, já que a população mundial precisava ser convencida de que o monstro estava morto. A história que não foi contada sobre o que se seguiu à rendição da Alemanha é vista como uma aventura de James Bond; e ela precisa ser corretamente registrada agora para que não se perca no esquecimento.

Antes de entramos nos surpreendentes fatos sobre Hitler, o Terceiro Reich e o pós- II Guerra Mundial, vamos fazer uma pausa para analisar esse homem que se chamava Adolf Hitler. Lembro-me claramente de uma palestra que dei Frankfurt, na Alemanha, em 1991, diante de uma platéia de aproximadamente 1600 pessoas. Era a primeira conferência importante que dava neste país e, por um instante, pensei ser a última, pois atrevi-me a sacudir as bases sociais da Alemanha e, consequentemente, do mundo. Nos meus comentários iniciais, disse que Adolf Hitler fora um instrumento divino. O impacto causado por esta declaração foi horroroso e por um momento pensei que fossem me expulsar do recinto ou quem sabe me linchar, por o choque e a indignação da platéia foram tremendos.

Após esta abrupta declaração de abertura, fiquei em silêncio observando a raiva e indignação da platéia (em grande parte mulheres) e observando Ter atingido um ponto muito delicado, enquanto erguia as mãos pedindo silêncio. Depois que a platéia ficou em silêncio, com tranqüilidade e convicção eu disse: “Agora, por favor, ouçam-me e façam seu julgamento depois”. Felizmente os presentes cooperaram e tratei de me acalmar. Prossegui, dizendo que de acordo com o calendário e a profecia maia (indígena), Hitler era o último Senhor das Trevas. Cada Senhor das Trevas reinava 52 anos e eles eram nove. (Nove vezes 52 anos é igual a 468 anos). O reinado de Hitler começou em 1935 e terminou em 1987.

Observem que os Senhores das Trevas também são divinos e têm tarefas específicas, embora elas às vezes sejam terríveis e desprezíveis; porém o objetivo deles é trazer uma experiência de aprendizado para as massas. Hitler encaixa-se neste papel divino de maneira requintada; seu papel era ensinar ao mundo que as guerras jamais deveriam acontecer novamente. Por isso, não haverá uma terceira guerra mundial na Terra. Haverá mais uma grande guerra que será abafada, contida, para não chegar a ser global. Provavelmente ela acontecerá no Oriente Médio, e de forma bem clara ela já está escrita neste exato momento. 
Uma questão paralela às guerras, é que deve-se levar em conta que elas são planejadas mais ou menos 50 anos antes de acontecerem. O objetivo delas é acabar é acabar com os nossos jovens, manter os povos dominados pelo medo e fazer os ricos e poderosos cada vez mais ricos e poderosos. Quem você acha que está por trás da construção e da venda de armamentos para os nossos inimigos? Evidentemente são os super ricos e poderosos, mais conhecidos como os Illuminati. Enquanto o povo é enfraquecido ou dizimado, este grupo continua a prosperar indefinidamente. Por enquanto é só.

Vamos voltar para Hitler e a saga do pós-guerra, mas antes, discutiremos alguns problemas que o comando aliado enfrentou. Hitler insistentemente gabava-se de Ter uma arma secreta e que com ela venceria a guerra. As forças aliadas não levaram sua ameaça a sério, já que erroneamente pensavam que ele se referia ao foguete V-2, que estavam usando para bombardear as ilhas Britânicas. Certamente os foguetes de longo alcance causaram várias mortes e ferimentos, mas eles também eram extremamente imprecisos, poucas vezes atingindo o alvo designado. Contudo, esta imprecisão, combinada com sua capacidade de destruição, era uma arma psicológica extremamente eficaz. Na verdade, teria sido conveniente batizar a precisão do foguete de “seja o que Deus quiser”.

Somente depois de algum tempo a Inteligência norte-americana descobriu que o motivo de orgulho de Hitler não era infundado pois, realmente, ele estava construindo e testando um novo tipo de aeronave que revolucionaria a aerodinâmica. Esta aeronave decolava e aterrissava na vertical, eliminando a necessidade de usar campos de pouso. Ela fazia imediatamente curvas de 90 graus, em alta velocidade, e era duas ou três vezes mais rápida que o avião mais veloz dos aliados, cuja velocidade máxima estava na ordem de 500 nós ou aproximadamente 600 milhas por hora. Além disso, a rede de espionagem levou a crer que ele construiria um segundo avião mais avançado que o primeiro. Esperava-se que ele atingisse uma velocidade maior que 3000 milhas por hora e que carregasse uma arma a laser que penetraria em até 4 polegadas em qualquer coisa que fosse blindada. Isso tornaria qualquer tipo de arma dos aliados, inclusive navios e veículos blindados (tanques), totalmente vulneráveis. Também descobriram que Hitler estava projetando um terceiro avião muito mais poderoso que os dois anteriores. Ele seria capaz de atingir mais de 8000 milhas por hora e, como os outros, realizaria pousos e decolagens verticais.

Uma rápida análise desta informação levou à conclusão que Hitler venceria a guerra em, mais ou menos, dois meses, se não fosse impedido a todo custo. Infelizmente, o que aconteceu foi a total destruição da Alemanha pelos bombardeios aéreos que objetivaram destruir todos os recursos de que Hitler dispunha, isto é, ruas, estradas, pontes, armazéns (a maioria das cidades), campos de petróleo, fábricas de rolamento, etc. este foi um ato desesperado para impedir que o Terceiro Reich e Hiltler vencessem a guerra. Embora tudo tivesse sido feito para salvar a humanidade de um terrível futuro, continuo a lamentar quando ouço relatos sobre o sofrimento vivido pela população ou quando vejo as ruínas propositadamente deixadas no local, para que o mundo, da mesma forma que os alemães, não se esqueça dos horrores da guerra.

Sobre a rendição do Terceiro Reich, Hitler e seu grupo de especialistas, composto da SS e outros, realizaram uma imediata retirada estratégica e os preparativos para a continuidade do Terceiro Reich e outra época e lugar. Isto acabou acontecendo na terra da RAINHA MAUD, na Antártica. Os veículos usados para a fuga eram os fantásticos submarinos onda os UFOs desmontados foram guardados, e que às vezes chamados de Haunebu n°1, 2 e 3. O terceiro estava em fase de projeto.

Os submarinos, com seu corpo de elite, passaram seis meses no mar, tendo como meta chegar à Argentina e à Antártica. As forças aliadas sabiam da fuga e partiram em sua busca para destruí-los, mas encontraram os submarinos somente uma vez. Neste momento os avião das forças aliadas foi destruído.

Daí por diante, os submarinos passavam um tempo considerável na superfície, habilmente disfarçados de navios. Contudo, temendo ser destruídos ou capturados, os submarinos tiveram de passar a maior parte do tempo submersos. Esta experiência limite só pode ser vista como uma odisséia marítima. Finalmente os submarinos chegaram na Argentina, onde foram recebidos com todas as honras. Foi quando Hitler e Eva desembarcaram e passaram o resto de suas vidas em Buenos Aires. 
Embora a Inteligência Internacional os tivesse localizado, achou melhor que eles vivessem em paz e no anonimato em vez de reacender a ira e o rancor da população mundial, especialmente na Europa e na América. Apesar de ser um agente da Inteligência, tendo trabalhado nove anos na CIA e feito parte dez anos do corpo de elite dos Boinas Verdes (Green Berets) ou Special Forces, eu não tinha provas concretas desse fato até conhecer uma mulher em Chicago, Illinois, nos Estados Unidos, quando fiz uma conferência e realizei um workshop. Na platéia havia uma jovem que, enquanto eu contava a história de Hitler e Eva, insistentemente levantava a mão, demonstrando muita urgência em falar comigo. Ela me disse que era importantíssimo conversarmos em particular. Mais tarde, fomos jantar.

Ela disse que se chamava Julie Monteverio, que tinha morado na Argentina e que era filha de um ex-chefe do Serviço Secreto que cuidava de toda a segurança interna da Argentina. Disse-me que ela e seu pai, um dia, almoçavam em um dos vários restaurantes ao ar livre e que ele, repentinamente, disse-lhe: “Julie, você está vendo aquele homem ali, lendo o jornal?” Ela respondeu, “Sim, papa”, e que ele disse que este homem era muito importante, que seu nome era Adolf Hitler e que a mulher sentada ao seu lado era sua esposa, Eva Braun. Não preciso dizer que fiquei muito feliz ao obter a confirmação de que Hitler estava vivo e morando na Argentina. Nesta época ele estava com 80 anos. Supõe-se que ele viveu até os 98 anos de idade. 
Isto nos leva de volta a referência feita pelo professor Hurtak, de que Hitler havia sido levado do planeta por um UFO. Sem dúvida, esta história é verdadeira e tenho certeza de que seu copo foi sepultado com o de Eva Braun, com todas as honrarias, no novo Terceiro Reich que, devido à transformação espiritual que sofreu pelos filhos dos antigos membros do Terceiro Reich, agora é chamado de Quarto Reich.

Hitler, Armas Secretas e os OVNIS alemães.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Esta é um interessante faceta da evolução do Terceiro Reich na Antártica. Apesar dos membros mais antigos terem sido certamente mais hostis e que objetivassem dominar o mundo, progressiva e inexplicavelmente, seu ponto de vista sobre o seu papel no mundo começou a mudar, tornando-se mais benevolente. Sem sombra de dúvida, suas habilidades eram impressionantes e eles eram a terceira mais poderosa força que pairava sobre o horizonte do mundo. É questionável se os corações e mentes da aristocracia alemã do Terceiro Reich se abrandaram. Provavelmente quando eles morria e eram substituídos por seus descendentes, estivesse determinado que esta extraordinária força seria usada para o bem da humanidade, ao invés de destruir e dominar. Foi excelente para o mundo que esse novo escalão e seus líderes tenham escolhido ser altruístas, protetores do nosso planeta e sua sobrevivência; caso contrário poderíamos muito bem deparar-nos com a extinção nas mãos das facções adversárias, como os EUA com seu conhecimento extraterrestre e sua tecnologia, diante dos inimigos do Quarto Reich. 
Não duvide, nem por um instante, que a impressionante capacidade do novo, ou Quarto Reich existe. Um exemplo disto é um incidente que ocorreu logo após o fim da II Guerra Mundial.

Os poderosos do mundo sabiam que os remanescentes do Terceiro Reich haviam se refugiado na Antártica., representando uma certa ameaça para a paz e estabilidade mundial. Conscientes disso, os Estados Unidos foram designados pelos poderes internacionais para erradicar esta terrível ameaça. A América assumiu essa responsabilidade e convocou o aposentado Comandante Richard Byrd para comandar o plano da Força Expedicionária, para erradicar o Terceiro Reich, derrotando assim esta ameaça em potencial. (O Comandante Byrd era a opção mais lógica, devido à sua grande experiência no Pólo Norte, cujo formação geológica e o meio ambiente são similares aos da Antártica).

Os poderosos deram ao Comandante Byrd totais e inquestionáveis recursos e o período de oito meses para terminar o serviço. Infelizmente, mas agora agradeço a Deus, ele não obteve sucesso. Ao invés de trabalhar oito meses, foi derrotado pela tecnologia avançada e aterradora, o que resultou na retirada de suas tropas em somente duas semanas. A tecnologia superior do Quarto Reich era tão avançada que as tropas de Byrd foram totalmente inúteis e ineficazes.

Para exemplificar, recursos psicotrônicos eram usados contra as tropas que avançavam, tornando-as incapazes, ou se elas persistiam apesar da dor, o cérebro dos soldados era totalmente destruído. Um avião deu de cara com uma barreira eletromagnética. Com o impacto, os aviões e a tripulação foram completamente destruídos. (Esses relatórios posteriormente vazaram). Isto foi em 1947.

Cinqüenta anos se passaram e só nos resta imaginar o terrível poder que eles têm agora. Também podemos agradecer a Deus por eles terem se tornado benevolentes, caso contrário poderíamos estar diante de grandes problemas que atingiriam o planeta e as pessoas. A civilização Haunebu hoje em dia está em toda a Terra e muitos avistamentos de UFOs são de suas naves. Sua missão é proteger o nosso planeta da ameaça e da invasão de extraterrestres e eles estão ativamente envolvidos em batalhas aéreas acima do planeta e com os Ets, que estão longe de ser nossos aliados.

Em certas ocasiões contei com a presença de pessoas do povo Haunebu em minhas conferências na Europa, principalmente na Áustria. Infelizmente eles não são diferentes das outras pessoas. São iguais a qualquer pessoas. A única suspeita que tive de que eles estavam presentes foi que partiram antes que terminasse minha palestra e disseram à minha anfitriã, depois de se identificarem, para que ela me dissesse que eles estiveram presentes. Certa vez, minha anfitriã foi abordada por uma mulher que disse que ela havia sido um piloto Haunebu que havia se ferido numa batalha com os Ets acima da, então, União Soviética. E novamente ela disse, “Conte a Virgil que estivemos aqui”.

Esta sabedoria me impressiona profundamente e eu ficaria encantadíssimo se tivesse a oportunidade de conhecê-los pessoalmente. Espero por esse dia. A Alemanha é um país singular, pequeno mas que busca seus objetivos com determinação. Este pequeno país sempre foi uma nação maravilhosa, que extraordinariamente criou seu destino para que o mundo o lamentasse. Por que e de onde vêm sua grande força, determinação e dedicação que a fazem ser uma das maiores potências do mundo? Por que sua mentalidade e, às vezes, suas convicções são tão diferentes do resto do mundo? Historicamente, por que a Alemanha produziu muito mais médicos, filósofos, cientistas, poetas e músicos internacionalmente famosos, do que qualquer outra nação? 
Levei muitos anos, enquanto trabalhava lá, para juntar as peças do quebra-cabeça. No que diz respeito a essa diferença, uma das primeiras coisas que observei foi que eles têm um pássaro igual ao tordo americano. A estrutura física, o canto do pássaro e seu comportamento são idênticos aos do tordo americano; porém ele é totalmente negro, o que definitivamente demonstra que ele é um mutante ou híbrido.

Outra diferença é o gênero gramatical que dão para o Sol e a Lua. Em todos os idiomas o Sol é masculino e a Lua é feminina. Na Alemanha não é assim, pois a Lua é masculino e o Sol feminino. Durante os dez anos que trabalhei na Alemanha, observei estes fenômenos e questionava o motivo. Finalmente a resposta veio. A resposta é que existe uma falha ou ruptura no sistema da grade eletromagnética que envolve o planeta (e é bem provável que todo o sistema solar). Este buraco, causado pela ruptura, está exatamente sobre a Alemanha e em nenhum outro lugar do mundo. O que isso significa? Significa que a Alemanha, devido a esta diferença, recebe uma energia especial e consciente, extraterrestre, que favorece somente a Alemanha. É esta força invisível, que durante décadas foi responsável pela grandeza da mente e do coração do povo alemão, produzindo líderes mundiais em matemática, ciência, literatura, filosofia, etc. até o Terceiro Reich e Hitler são produto dessa energia invisível , porém onipotente.

 

Mistérios não resolvidos e segredos de Hitler – Revelando Documentário (Espanhol)

PARTE 4

Fonte: O Arquivo
Editado por: Arquivo X do Brasil

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário