)

«

»

fev 25 2017

Manual do Grupo de Operações Especiais Majestic 12

Majestic 12.
(Clique na imagem para amplia-la)

Majestic-12 ou Majic 12 (as vezes escrito simplesmente como MJ-12 ou MJ-XII) é um nome código de um suposto comitê que englobaria cientistas de alto nível, líderes militares e altos funcionários do governo norte-americano, criado supostamente em 1947 e dirigido pelo então presidente dos Estados Unidos Harry S. Truman. Teria por finalidade investigar a atividade dos objetos voadores não identificados (OVNI) depois dos acontecimentos ocorridos em Roswell, onde supostamente uma nave espacial alienígena teria caído próximo a localidade de Roswell, no Novo México, em Julho de 1947. Este alegado comité seria responsável pela divulgação de diversas teorias, cuja a finalidade seria a ocultação de diversos acontecimentos decorrentes da ação dos OVNIs. Investigações do FBI e uma análise independente de Joe Nickell, proeminente investigador cético de fenômenos paranormais, provaram que os documentos são completamente falsos. Uma das maiores evidências disso é que foi encontrada uma carta original do Presidente Henry Truman, de 1 de outubro de 1947, cuja assinatura foi fotocopiada e reproduzida pelo(s) falsário(s)nos documentos MJ-12.

Carta Original do Presidente Henry Truman.
(Clique na imagem para amplia-la)

ALERTA! Este é um documento ULTRA SECRETO-APENAS OLHOS MAJIC contendo informações essenciais para a segurança nacional dos E.U.A. ACESSO APENAS OLHOS para este material é estritamente limitado a pessoas possuindo NÍVEL TOTAL MAJIC-12. Não é permitido examinação ou uso por pessoas desautorizadas, sujeito a punição das leis federais. ABRIL, 1954

Seção I, OBJETIVOS DO PROJETO

1. Manual

Este manual foi preparado especialmente para pessoas do grupo. É importante apresentar todos os aspectos do MJ-12 para que pessoas autorizadas tenham um melhor entendimento dos nossos objetivos, saibam mais sobre os U.F.O.s, sobre entidades e tecnologia extra-terrestre, e aumentem a eficiência em futuras operações.

2. Geral

MJ-12 leva o assunto UFOBs, tecnologia extra-terrestre e entidade biológica extra-terrestre muita a sério e considera o assunto de mais alta importância para a segurança nacional. Por esta razão, tudo relacionado ao assunto possui alta classificação de segurança. Três pontos importantes serão falados nesta sessão:

a. Os aspectos gerais do MJ-12 para tirar qualquer preconceito que qualquer um possa ter.

b. A importância da operação.

c. A necessidade de absoluto sigilo em todas as fases da operação.

3. Classificação de Segurança

Toda informação relacionada ao MJ-12 foi classificada como APENAS OLHOS MAJIC e possui um nível dois pontos maior do que ULTRA SECRETO. A razão disto esta no perigo do uso de tecnologia avançada que foi coletada pelas forças aéreas. Nenhuma informação é publicada a respeito, e a posição oficial do governo é de que não existe a Majestic Twelve.

4. História do Grupo

A operação Majestic-12 foi estabelecida por ordens especiais do presidente Eisenhover, em 24 de setembro de 1947, por recomendações do secretário de defesa James V. Forrestal e Dr.Vannevar Bush. A inteligência do grupo é diretamente responsável apenas ao presidente dos Estados Unidos. Os deveres do grupo estão citados abaixo:

a. A recuperação para estudos científicos de materiais extra-terrestres. Qualquer material pode ser recuperado por qualquer membro do grupo.

b. A recuperação para estudos científicos de entidades extra-terrestres independente das ações destas entidades ou de esforços militares.

c. O estabelecimento e administração de grupos especiais para acompanhar estas operações.

d. O estabelecimento e administração de segurança especial em locais secretos para a analise e estudo científico de qualquer material ou entidade classificada extra-terrestre pelo grupo.

e. Estabelecimento e administração de operações ligadas a inteligência central para a recuperação pelos E.U.A. de tecnologia ou entidade extra-terrestre em posse de poder estrangeiro.

f. O estabelecimento e manutenção de absoluto sigilo em todas operações.

5. Situação Atual

É considerado por enquanto, que a situação atual é de que existem pequenos indícios de que estes e objetos e seus construidores queiram um trato direto com a segurança dos E.U.A., devido a incerteza dos motivos de suas “visitas”. Certamente a tecnologia possuída por estes seres, ultrapassa tudo o que se conhece na ciência moderna, ainda considera suas presenças benignas, e pretendem fazer contato com nossa espécie, pelo menos até o presente. Entidades mortas foram recuperadas em acidentes e estudadas em diversos locais. Nenhuma tentativa de contato foi feita por entidades extra-terrestres com autoridades ou com as entidades mortas nos acidentes, e uma das quedas foi causada por ação direta militar. O maior trato até o momento, foi a aquisição e estudo de tecnologia avançada de estrangeiros inimigos. Foi por este motivo que a recuperação e estudo este tipo de material recebeu prioridade dos Estados Unidos.

Seção II, DEFINIÇÃO E DATA

1. Origem extra-terrestre é definida como em seguida:

a. Avião identificado como não sendo produzido nos E.U.A. ou qualquer outro território de forças estrangeiras, incluindo experimentos militares e aviões civís. Os aviões da categoria são conhecidos como Objetos Aéreos Não Identificados. Esses aviões podem apresentar extraordinárias características de voo.

b. Objetos e maquinas de origem e função desconhecidas.

c. Queda de qualquer avião de produção ou origem extra-terrestre. As quedas podem ser acidentais ou devidas a ações diretas militares.
d. Materiais que apresentem extraordinárias características, não correspondentes com a tecnologia atual ou conhecimentos científicos. 
e. Criaturas não terrestres, com processo evolutivo diferente do nosso.

2. Descrição de um UFO

Avião extra-terrestre documentado é classificado em uma das quatro categorias abaixo:

a. Eliptical, ou em forma de disco. Este tipo de avião é uma construção metálica, e a cor se parece com a de alumínio. Ele possui a aparência de dois pratos, e pode possuir uma inclinação no topo ou na base. Podem ou não possuir janelas ou entradas. A maioria dos discos são equipadas com luzes no topo ou na base. Essas luzes não são visíveis quando os objetos não estão funcionado, assim como também não são visíveis antenas ou projeções.

b. X. A documentação deste avião é extremamente rara. O radar das forças aéreas indicou velocidade em excesso ( duas mil milhas por hora ) e pouco se sabe sobre este objeto. Provavelmente não opera abaixo da atmosfera.

c. Ovóide ou em forma circular. Este tipo de avião é descrito como tendo forma aparente a de um cone de sorvete, arredondado no fim mais largo. Ele possui uma luz extremamente brilhante no fim menos largo e usualmente viaja em baixa altitude. Pode se parecer com outra forma dependendo do ângulo de vista.

d. Forma triangular. Acredita-se que este avião é uma nova tecnologia devido as raras e recentes observações.Os radares indicam serem triângulos isósceles e pouco se sabe sobre suas performances. Mas acredita-se que consigam atingir velocidades e realizar manobras superiores a dos tipos “a” e “c”.

3. Descrição de uma entidade biológica extra-terrestre

EBE – Entidade Biológica Extraterrestre.
(Clique na imagem para amplia-la)

Exames de restos recuperados na queda de um UFO, indicam que as EBEs podem ser classificadas em duas categorias distintas:

a. EBE tipo I. Essas entidades são humanoides e podem ser o início da raça oriental. Eles são bípedes e proporcionalmente parecidos aos humanos, embora o crânio seja largo e mais arredondado. A pele é clara e levemente amarelada. Os olhos são pequenos, com íris pretas e pupilas muito largas. As orelhas são pequenas, o nariz é magro e longo e a boca é mais larga do que a humana. Aparentemente, não existe pelos faciais. O corpo é magro mas os músculo são bem desenvolvidos. As mãos são pequenas, com quatro dedos longos mas sem o polegar e não existe “juntas” entre os dedos como nos humanos.

b. EBE tipo II. Essas entidades são humanóides, porém diferentes do tipo I em varias coisas. São bípedes, a cabeça é proporcionalmente muito larga, o crânio é largo e alongado. Os olhos são muito largos, inclinados, e envolvidos em torno do lado do crânio. Eles são pretos sem partes brancas. O nariz consiste em duas pequenas fendas e não existem orelhas externas. A pele é pálida e cinza, mais escura atrás da criatura, e é muito lisa. Não possuem pelos e não aparentam ser mamíferos. Os braços são longos em proporção as pernas, assim como as mãos e os dedos. O segundo dedo é mais grosso do que os outros, porém não mais longo do que o primeiro. O pé é pequeno e estreito, e os dedos são revestidos com uma membrana  Não é definido o local de origem destas criaturas, mas não se desenvolveram na terra. Isto é evidente, porém, não se tem certeza de que tenham se originado em dois diferentes planetas.

3. Descrição de tecnologia extra-terrestre

As informações abaixo são análises preliminares feitas com material encontrado na queda de uma nave alienigena.

a. Análises iniciais dos escombros do local da queda indica que uma nave extra-terrestre chocou-se com o chão com grande força, destruindo completamente a nave. O volume do objeto indica ser aproximadamente do tamanho de um avião médio, porém o peso dos destroços é extremamente pequeno para o tamanho.

b. Análises metalúrgicas dos destroços recuperados indicam que estes não são compostos por nenhum material atualmente conhecido pela ciência terrestre.

c. O material testado possui uma incrível força e resistência proporcional a seu peso e tamanho, sendo mais forte de que qualquer material utilizado em aviões militares ou civís.

d. Boa parte do material possui a aparência de folha de alumínio ou chapa de magnésio de alumínio, e não apresenta nenhuma das características de nenhum metal.

e. Estruturas e vigas substanciais são muito leves e sua força de compressão não é obtida de nenhuma forma conhecida pela indústria moderna.

f. Nenhum material testado apresenta alguma característica magnética ou radioativa.

g. O material é gravado ou realçado com marcas e desenhos. Esses desenhos não foram identificados e esforços para decifrá-los não obtiveram sucesso.

h. Exames dos mecanismos, equipamentos, etç. revelaram pouco ou nada das funções ou métodos de produção.

 

NEW YORK TIMES.
(Clique na imagem para amplia-la)

OS FOO-FIGHTERS

MATÉRIA EXTRAÍDA DO NEW YORK TIMES – 02 DE JANEIRO DE 1945

Foo-Fighters – 
Artigo de 2 de janeiro de 1945, do New York Times:

Bolas de fogo perseguem aviões de guerra americanos em assaltos noturnos sobre a Alemanha

Base Americana de Combate Noturno, França, 1º de janeiro

– Os alemães estão tentando alguma coisa nova nos céus noturnos da Alemanha

– os surpreendentes e misteriosos foo-fighters, bolas de fogo que correm ao longo das asas dos Beaufighters americanos, em missões intrusivas sobre o Reich. Os pilotos americanos têm encontrado os enigmáticos foo-fighters por mais de um mês em seus vôos noturnos. Ninguém, aparentemente, sabe exatamente o que possa ser essa arma. As bolas de fogo aparecem repentinamente e acompanham os aviões por milhas. Elas parecem ser rádio controladas do solo e acompanham os aviões voando a 300 milhas por hora, os relatórios oficiais de inteligência revelam. Segundo relatos de pilotos, existem três espécies de ‘foo-fighters:

“as bolas vermelhas que aparecem além das extremidades das asas e voam ao nosso lado;

um eixo vertical de três bolas de fogo que voam a nossa frente;

e o terceiro é um grupo de 15 luzes, que aparecem à distância e parecem uma árvore de Natal no ar e piscam acendendo e apagando.

” Os pilotos dessas operações do esquadrão de vôo noturno, desde setembro de 1943 pensam que essas bolas de fogo são as coisas mais estranhas que já encontraram.

Eles estão convencidos que os foo-fighters foram desenhados para ser uma arma psicológica, se não militar, embora não seja da natureza dos foo-fighters atacar aviões. “Um ‘foo-fighter’ recentemente me acompanhou aos 700 metros durante 20 milhas, até o vale Rhine,” disse o piloto Meiers. “Eu me voltei para a popa e duas bolas de fogo voltaram comigo. Eu virei para a proa e elas também viraram comigo. Estávamos indo a 200 milhas por hora e as bolas se mantinham exatamente à nossa frente”.

Uma outra ocasião, quando um foo-fighter nos acompanhou, eu fiz um mergulho a 300 milhas por hora. Ele se manteve exatamente ao lado das pontas de nossas asas por todo o tempo e então disparou para cima, no céu. Quando eu vi pela primeira vez essas coisas ao lado das pontas das asas, tive o pensamento horrível de que os alemães no solo estavam prontos a apertar um botão e explodí-las. Mas esses foo-fighters não explodem e nem nos atacam.
Eles parecem apenas nos seguir como ‘’ observadores’’. 

RELATÓRIO DA INTELIGÊNCIA NORTE-AMERICANA DESCREVE AVISTAMENTO DE OVNI NO BRASIL.

Texto: Eduardo Castor Borgonovi, da Agência Estado.

VIDA – 14/08/98

Um grande objeto voador, silencioso e emitindo luzes, aparentemente um “disco voador” foi visto no espaço aéreo nos dias 22 e 30 de março de 1967. No dia 22 ele foi seguido por aviões durante 15 minutos e no dia 30 foi avistado por testemunhas no solo, em Rio Comprido, Rio Grande do Sul.

Essas informações poderiam ter sido divulgadas por pessoas comuns, ou membros de grupos que estudam ufologia. Nesse caso, imediatamente ocorreriam as explicações de sempre: balão meteorológico, planeta Vênus, efeitos luminosos. E as testemunhas, se tivessem sorte, não seriam acusadas de delírios, mentiras ou problemas neurológicos.
Mas acontece que essas informações estão num relatório confidencial da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, enviado no dia 3 de abril de 1967 para o setor de inteligência do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.
E, além do mais, quem assina o relatório é o brigadeiro general Vernon Walters, na época Adido Militar na embaixada dos Estados Unidos no Brasil, posteriormente vice-diretor da CIA e, mais tarde, embaixador dos Estados Unidos na Alemanha.

Walter é um personagem entre o polêmico e o misterioso, pois, além de suas atividades oficiais no serviço secreto, seu nome esteve presente em acontecimentos como a frustrada Invasão da Baía dos Porcos e no Caso Watergate. Walter também é citado por estudiosos de ufologia como membro do MJ-12 (Majestic 12) um projeto ultra-secreto, criado pelo presidente Truman em 1947 (logo após o incidente de Roswell) para investigar avistamentos de óvnis.
A existência do MJ-12 jamais foi reconhecida oficialmente, porém sua existência agora começa a ficar mais transparente, principalmente graças a documentos como o relatório de Vernon Walters sobre o avistamento no Brasil e outros papéis, tornados públicos por força do UFOIA (Ato de Liberdade de Informação) que determina que todos os documentos secretos tornem-se públicos após 30 anos da data de sua emissão.

O Relatório

O relatório de Walters tem o cabeçalho “Relatório de Informação de Inteligência do Departamento da Defesa”.

O registro é “Doc. 8-18a, 3 de abril de 1967”.
Assunto: “Avistamentos de Discos Voadores no Brasil”.
Avaliação – Fonte: “C”, Informações: “3”.
Autoridade que assina: “Vernon Walter,brigadeiro-general, Adido de Defesa, Estados Unidos”.

A íntegra do relatório:

“1. No dia 22 de março de 1967, a tripulação de um avião C-47 da Força Aérea Brasileira e a tripulação de uma aeronave de mapeamento fotográfico da empresa “Cruzeiro do Sul” informaram terem visto um disco voador nas vizinhanças de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. O objeto foi avistado inicialmente pela tripulação da FAB que o descreveu como uma lua avermelhada que parecia voar em círculos. O C-47 da FAB avisou a torre do aeroporto Salgado Filho a respeito do avistamento e a torre pediu ao avião da “Cruzeiro do Sul” que interceptasse e identificasse o objeto. O aparelho da “Cruzeiro do Sul” fez contato com o objeto e o perseguiu por 15 minutos antes que ele finalmente desaparecesse. Não foram tiradas fotos do objeto. Em acréscimo aos avistamentos informados pelas tripulações das aeronaves, o objeto também foi avistado por observadores em terra, na área de Porto Alegre.

2. Um avistamento mais recente ocorreu no dia 30 de março de 1967 em Rio Comprido. Entretanto, este foi relatado apenas por observadores em terra. O objeto foi descrito como completamente branco, silencioso, voando a baixa altitude e conseguia desaparecer e reaparecer a intervalos regulares. Este avistamento, em particular, teve um destaque muito pequeno no noticiário da imprensa.

Comentários:

O Ministério da Aeronáutica brasileiro ainda não divulgou nenhum comentário a respeito desses avistamentos e está no momento estudando as declarações das tripulações das aeronaves e dos observadores de terra”.

As autoridades do governos dos Estados Unidos e outros países vêm insistentemente negando interesse nos avistamentos de óvnis e desmentindo com indignação informações sobre a existência de grupos secretos de estudos desses fenômenos. O relatório de Vernon Walters pode não esclarecer nada a respeito da natureza dos óvnis, porém demonstra o interesse dos serviços secretos norte-americanos com o assunto.

E contribui para a ufologia de um modo muito especial: atribuir avistamentos de óvnis a insanidades, necessidade de mentir, ou confusão com balões e planetas é fácil quando se trata de humildes cidadãos comuns. Porém, quando se trata do serviço secreto norte-americano e de uma pessoa tão experiente como ex-vice-diretor da CIA, a coisa fica diferente.

Ou será que alguém poderia afirmar, em sã consciência, que tripulações da FAB e da Cruzeiro do Sul, além de funcionários do Departamento da Defesa atuando no Brasil, estariam confundindo o planeta Vênus, ou um balão meteorológico, com possíveis “discos voadores”?

 

Majestic 12 

 

Fonte: O Arquivo
Editado por: Arquivo X do Brasil

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: