)

fev 08 2017

Qual a idade da lua?

Qual a idade da lua?.
(Clique na imagem para amplia-la)

Uma nova análise das rochas lunares trazidas à Terra pelos astronautas da Apollo sugere que a lua se formou há 4,51 bilhões de anos, apenas 60 milhões de anos depois que o próprio sistema solar tomou forma.

Alguns estudos anteriores apresentaram estimativas similares, enquanto outros defenderam uma lua mais nova, que nasceu entre 150 a 200 milhões de anos após o nascimento do sistema solar.

A nova descoberta, que foi publicada hoje (11 de janeiro) na revista Science Advances, deve resolver este longo debate, acreditam os membros da equipe. [Como a Lua se Formou: 5 Teorias Lunares Selvagens]

“Estamos realmente certos de que essa idade é muito, muito robusta”, disse a autora principal do estudo, Melanie Barboni, pesquisadora do Departamento de Ciências da Terra, Planeta e Ciências Espaciais da UCLA, nos EUA.

O nascimento da lua

Os astrônomos acham que a lua nasceu depois que um corpo do tamanho de Marte (ou uma série de objetos da mesma dimensão) chocou contra a Terra primitiva. Parte do material explodido no espaço coalesceu para formar o vizinho mais próximo da Terra, acreditam os cientistas.

Mas foi difícil determinar exatamente quando esse impacto, ou esses impactos, ocorreram, afirmou Barboni. Isso ocorreu porque as rochas coletadas pelos astronautas da Apollo tendem a ser brechas – junções de diferentes tipos de rochas esmagadas por ataques de meteoritos (que são muito comuns na superfície lunar, porque a lua não tem quase atmosfera para queimar as rochas caindo de espaço).

Dada a dificuldade em ter rochas antigas da lua, Barboni e sua equipe decidiram tomar um rumo diferente. Ao invés de estudar rochas inteiras e esperar que elas servissem para datar o nascimento da lua, a equipe datou a formação do manto do objeto e da crosta sobreposta.

Esta “diferenciação” nas rochas ocorreu pouco depois de impacto(s) gigante(s), quando um oceano global de magma líquido inicialmente presente na lua esfriou e solidificou. Essa solidificação deixou um sinal, acredita Barboni – um mineral chamado zircão.

Os pesquisadores estudaram fragmentos de zircão em rochas coletadas pelos astronautas da Apollo 14 em 1971. A equipe datou radiométricamente as amostras, medindo quanto do seu urânio tinha decaído em chumbo, e como seu hafnium tinha decaído em vários “isótopos”. (Os isótopos são variantes de um elemento que tem o mesmo número de prótons em seus núcleos, mas números diferentes de nêutrons).

As análises da equipe mostram que os fragmentos de zircão são primitivos e antigos, que datam da solidificação do oceano magmático. Os pesquisadores também conseguiram corrigir a influência dos impactos de raios cósmicos galácticos, o que pode complicar as tentativas de datação por injeção de nêutrons em amostras.

A idade que a equipe atribuiu para a lua – 4,51 bilhões de anos, com uma margem de mais ou menos 10 milhões de anos – deve resistir ao teste do tempo, acredita Barboni. A idade avançada da lua também faz sentido do ponto de vista da dinâmica, especialmente se a teoria dos impactos gigantes for correta, afirmou Barboni. Isso ocorre porque mais impactos estavam acontecendo nos primeiros dias do sistema solar do que 100 milhões de anos depois, acrescentou Barboni.

Laços com a vida na Terra

O novo resultado deve ser de interesse para qualquer astrônomo que queira uma melhor compreensão de como a Lua, a Terra e o sistema solar em geral se formaram e evoluíram, acredita Barboni. Por exemplo, a vida na Terra parece ter começado há pelo menos 4,1 bilhões de anos atrás.

Esta extrema antiguidade pode parecer surpreendente, dado que o impacto formador da lua provavelmente aqueceu a Terra tremendamente, remodelando e refazendo completamente a superfície do planeta. Mas é menos surpreendente ter ocorrido com uma lua velha do que com uma jovem, disse Barboni. [Space]

 

IMAGENS DA LUA (HD) – Sonda Espacial Kaguya do Japão

Ruínas na Lua (legendado)

 

Fonte: ciência online
Editado por: Arquivo X do Brasil 

 

 

1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe um comentário