)

ago 09 2017

Os sons e a grande orquestra sinfônica do Infinito

“A música é a revelação superior a toda sabedoria e filosofia.”

(Ludwig van Beethoven)

Os sons e a grande orquestra sinfônica do Infinito

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Sons e Sinfonia.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Os sons e a grande orquestra sinfônica do Infinito. Uma das principais portas da percepção humana sem dúvida são os sentidos. Sentidos estes que nos permitem descobrir e perceber o mundo que esta a nossa volta.

No entanto, mesmo sem nos dar conta, eles acabam por vezes nos levando a vivenciar coisas que estão muito além da nossa compreensão.

Podemos afirmar que possuímos ao todo cinco sentidos (para alguns cientistas seriam seis, com a intuição). Todos os sentidos são de extrema importância; porem dentre eles temos um bastante essencial a evolução e sobrevivência: a audição, este é o sentido pelo qual percebemos o som.

Som é uma palavra originada do latim “sonitus” (que é o particípio passado do verbo “sonare”, “soar, fazer som”). Alguns encaram como uma simples vibração, mas outros veem como a fonte criadora de tudo e edificadora de toda a matéria. Vejamos alguns destes mistérios por trás das frequências e do som.

Teoria das Cordas

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

No Início foi o Verbo.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Vemos aqui, uma das poucas ocasiões onde até mesmo a ciência parece entrar em sintonia com a religião. De acordo com as mais antigas crenças religiosas do mundo, Deus teria criado o mundo por meio da palavra. Quer se consulte os Vedas sânscritos ou a Bíblia, é sempre o som que é considerado o coração de toda existência. “No início foi o Verbo”, e só depois foi proclamado “Faça-se a Luz” O som precedeu a tudo o que vemos.

A palavra em si é uma vibração sonora, vibração esta que passou a ser aceita como parte principal da formação da matéria; assim como vemos no estudo físico da Teoria das Cordas.

Para quem não sabe, a teoria da relatividade e a mecânica quântica foram as duas mais importantes teorias produzidas no século passado; só que havia um problema: a incompatibilidade entre ambas. A teoria da relatividade explicava tudo o que era maior que um átomo; por sua vez, a mecânica quântica tentava explicar o misterioso mundo interior das partículas subatômicas.

Unificação das teorias

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Singularidade da Energia.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Tudo dava certo até ser necessário combinar as duas teorias para explicar por exemplo a singularidade da energia infinita; presente no interior de um buraco negro; neste momento ficava claro que os pesquisadores simplesmente não conseguiam combiná-las.

A Teoria das Cordas é uma tentativa de unificar a Teoria da Relatividade com a Mecânica Quântica, além das 4 forças fundamentais.

É a mais complexa teoria já desenvolvida, e envolve cálculos matemáticos que para a maioria das pessoas são totalmente incompreensíveis. Já passou por várias reformulações e provavelmente passará por novas no futuro.

É vista pelos físicos como a principal teoria que possa explicar o universo inteiro, até em seu nível mais fundamental, desde o surgimento do Big Bang até o possível final do universo.

Maior divisão atômica

No século passado, os cientistas descobriram que um átomo não é indivisível, pois é composto por partículas muito pequenas denominadas elétrons; prótons e nêutrons (as outras dimensões ocultas fazem parte desse nível subatômico). Mas a Teoria das Cordas afirma que essas partículas subatômicas ainda podem ser divididas, e que se o fizéssemos, enxergaríamos pequenos filamentos, denominados cordas.

O universo inteiro seria formado por pequenas cordas, que conforme seu comprimento e vibração, criam e definem a característica de uma partícula subatômica, explicando porque há uma diversidade tão grande de partículas no universo.

Ou seja, a própria estrutura da matéria dependeria unicamente do som e das vibrações.

– O som alterando a matéria

A vibração não é somente percebida por nossa audição, mas também pelo nosso tato, pela visão, e por outros sentidos podendo ir muito alem do que imaginamos. No entanto, descobertas recentes sugerem que o som é algo além de meros sinais vibratórios.

Um exemplo simples de que o som pode modificar a matéria esta no efeito conhecido como placa de Chladni. Este efeito foi descoberto no século XVII quando o físico Ernst Chladni, pôs farinha sobre uma placa de metal e utilizou um arco de violino para produzir assim uma determinada frequência; fez então surgir sobre a placa de metal uma forma geométrica, que se modificava de acordo com a vibração.

 

 

A Ciência do Mantra

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Certos sons podem nos afetar.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Swami Murugesu demonstra, em “A Ciência do Mantra”, que quando certas palavras são entoadas em sânscrito, a chama de uma vela muda sua intensidade e cor.

Em suas próprias palavras: “Certos sons podem nos afetar. Qualquer mudança que essas vibrações causem, se estende à mente de uma pessoa e também à atmosfera circundante, causando calor ou frio.”

Em outro experimento, monges tibetanos foram gravados cantando o OM. Isso foi depois tocado através de um prato ressonante, com cristais em cima. Em poucos segundos, a areia começou a vibrar, e formou um padrão chamado de Sri Yantra, que é considerado na crença hindu, como o padrão da Criação do universo.

Som e Forma

Stan Tenen, da Fundação Meru, demonstra outra correlação entre som e forma, observando as letras do alfabeto hebreu, cujas formas correspondem à forma de sua onda sonora quando os sons das mesmas letras são analisados. Correlativo a ele, o cientista Dan Winter reproduziu um experimento para provar que línguas antigas como hebraico e sânscrito, quando faladas, criam uma freqüência vibratória que move a matéria para “padrões geométricos sagrados”

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Geometria do som.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

– Geometria no som

Durante o Iluminismo, os pensadores começaram a deduzir as relações entre certos padrões matemáticos e a natureza. Incrivelmente esses padrões de simetria e proporção existiam a milênios, tendo como testemunhas a extraordinária precisão das Pirâmides, do Stonehenge e de vários antigos monumentos.

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Geometria do som.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Pode-se dizer assim, que a escola platônica de filosofia teve uma forte compreensão intuitiva da ideia de que a geometria permeia a estrutura da natureza.

Conhecida literalmente como “a sagrada medida da Terra”, a expressão designa os fundamentos arquetípicos espirituais por trás de obras-primas da arquitetura, chegando suas aplicações à física e à medicina.

Proporção Áurea

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Constante Real.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Um dos mais importantes destes elementos é a proporção áurea. Esta é uma constante real algébrica denotada pela letra grega Φ(PHI) – não confundir com o número (PI).

Podemos encontrá-lo entre inúmeros exemplos que envolvem a ordem do crescimento. (crescimento da população de abelhas, crescimento da concha do caramujo, crescimento de plantas, tamanho das falanges humanas, etc).

Acompanhado desta geometria recorrente, uma frequência sempre aparece. A frequência de 432Hz.

– Afinação do Universo

O mundo, desde os sumérios, afinou instrumentos baseando-se na nota LA (A) de frequência igual a 432Hz.

Este número por mais incrível que pareça, tem relação com uma infinidade de “ocorrências”. O diâmetro do Sol, a duração do minuto, movimentos e propriedades de corpos celestes (como Saturno, o Sol, a Lua e a própria Terra).

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

É como se o Universo estivesse afinado à 432Hz!.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Depois dos anos 30, foram introduzidas modificações neste padrão de frequência. Alguns afirmam que houve a participação do nazismo neste processo, que forçava a utilização da frequência de 440 Hz para promover a desarmonia nos indivíduos.

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Sons e Sinfonia.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Na verdade, o tal padrão de 440hz não foi imposto por Goebels e sim pela indústria fonográfica americana, em 1926. Em 1936, a American Standard Assotiation (ANSI) recomendou oficialmente o uso dos 440Hz.

Afinação em 432Hz

Finalmente, a International Organization for Standardtization (ISO), em 55, aceitou este padrão. Inicialmente a meta era que os órgãos de todas as igrejas soassem da mesma forma em todo lugar, entretanto a padronização da música tornou-se mais ampla.

O vídeo a seguir mostra como as notas musicais afinadas por 432 Hz apresentam figuras mais nítidas do que as afinadas por 440, o que indica que o primeiro caso está mais afinado (em ressonância) com estas frequências naturais.

Em algumas notas esta diferença é muito evidente e mostra o quão distante a afinação por 440 Hz está deste padrão natural:

Há quem diga que em função disto, a música em 432 Hz estaria mais sintonizada com nossas frequências naturais e portanto sua audição resultaria em maior harmonia interna. Os puristas dizem que a 432Hz a música é mais “quente” e “acalma” mais.

A diferença é muito sutil, contudo existe alguma verdade matemática, que chama a atenção.

– O DNA humano

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

DNA Humano.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Nos anos 90, três cientistas premiados com o Nobel de medicina realizaram pesquisa avançada que revelou que a função primária do DNA não é a síntese proteica, como se acreditou largamente no século passado, mas sim a recepção e transmissão de energia eletromagnética. Menos de 3% das funções do DNA envolvem fabricação de proteínas; mais de 90% de suas funções estão nos campos da bioacústica e da sinalização bioelétrica.

O conhecimento redescoberto da ciência do som mostra que o som é algo além de meros sinais vibratórios O som não só interage com a vida como também a mantém e desenvolve. Ele age como um condutor da intenção consciente.

– Conhecimento antigo

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Vibração do Conhecimento.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

Notem que o som carrega uma vibração, esta que por sua vez pode gerar alguma forma geométrica ou modificar a matéria. Aparentemente as antigas civilizações tinham esse conhecimento nos seus antigos.

Note que em alguns rituais de invocação, enraizados em antigas tradições, existem símbolos geométricos desenhados no chão, onde que possivelmente surgiria um espírito ou uma entidade…

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Segmentos do pentagrama estão na proporção áurea.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

O simbolo representaria na verdade a vibração de tal ser, e a forma que seria gerado o simbolo seria produzida pela vibração obtida ao ser mencionado seu nome, ou a sonoridade que ele carrega, já que grande parte dos sons não podem ser reproduzidos por nossas cordas vocais. É Impossível definir a linha que divide o natural do sobrenatural, pois mesmo a teoria das cordas cita a existência de mais 11 universos paralelos. Seriam estas vibrações feitas por meio de invocações ou símbolos geométricos capazes de interligar um universo a outro?

– I-Doser

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Sinfonia do Infinito.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

O som pode, não somente, gerar ou modificar a matéria, mas também nossas emoções, quem nunca sentiu-se estimulado por uma música, ou ficou irritado com algum barulho ensurdecedor? Ou então, quem já teve a felicidade de por meio dos famosos mantras, ou orações obter a capacidade de modificar seu estado físico e até mesmo curar alguma enfermidade ou male.

Recentemente temos o exemplo do programa virtual I-doser, que promete gerar efeitos alucinógenos em quem se submeter a alguns de seus sons, já existem até relatos de pessoas que passaram mal após se submeterem a alguns destes sons.

Ondas Sonoras

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

I-Doser.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

O software foi lançado no dia 25 de novembro de 2005 por Nick Ashton, e não é nada mais nada menos do que um programa de computador que produz “doses” de ondas sonoras, que procura interferir nas ondas cerebrais do usuário, simulando o efeito de várias drogas reais em seres humanos. Foi desenvolvido através de uma técnica conhecida como ondas binaurais, que emite sons que alteram a freqüência do cérebro.

Existem doses estimulantes, calmantes e alucinógenos (como Maconha, Cocaína, Heroína). Você pode baixar o Software gratuitamente (http://www.i-doser.com/), mas para baixar as doses você deve pagar para o site. No entanto, muitos usuários conseguem fazer o download gratuitamente em sites de busca e programas de compartilhamento.

Drogas Digitais

Neurologistas afirmam que não há possibilidades de dependência com o I-doser, porém que deve ser usado com cautela: existe um alerta sobre a possibilidade de que, com o tempo, as drogas digitais possam provocar disfunções cerebrais.

Eis então o efeito de algumas famosas doses do I-Doser:

Death (Morte) = Duração: 30 minutos

Relatos de experiências pós-dose:

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Morte.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

“Eu comecei a escutar a dose.. meu corpo entorpeceu, e parecia que eu estava sendo puxada, e minha cama afundando.. não foi uma coisa.. muito.. legal..[…]”

“Mas quando começou aquele barulho que vem no final eu larguei o fone e sai correndo e gritando pra sala de jantar, to tremendo até agora. Minha mãe perguntando porque eu estava gritando e eu fiquei tremendo, não conseguia nem falar. Cara não to exagerando […]”

Mão de Deus

Hand of God (Mão de Deus) = Duração; 30 minutos

Relatos de experiências pós-dose:

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Mão de Deus.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

“Vi uma mão batendo no meu peito , nesse mesmo tempo parece que minha alma saiu do meu corpo e foi pra baixo; depois ficou subindo bem lentamente, só chegou ao meu corpo quando terminei de ouvir o barulho.

No entanto eu pensei que nada tinha acontecido de verdade, mas quando me levantei e abrir meus olhos, parece que veio na minha cabeça , que tudo aquilo realmente aconteceu […]”

“No primeiro minuto, senti vontade de chorar, minutos depois, comecei a sentir frio, muito frio,e eu comecei a sentir o coração bater forte muito forte, o barulho de pássaros voando, cachorros latindo. E depois que tirei o fone de ouvido, me senti tonta, triste , com vontade de chorar, e solitária.”

Portão do Inferno

Gate of Hades (Portão do Inferno) = Duração; 30 minutos

Relatos de experiências pós-dose:

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Portão do Inferno.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

“Até os 20 minutos eu sentia medo até de um chinelo !”

“Agora estou morrendo de medo de tudo , não sei o que isto faz mais to com medo mesmo , e agora to escutando o chiadinho!”

“Nem consegui ouvir até o final, pq quando deu aquele som infernal joguei os fones longe e tomei um susto.. “

Os sons e a grande orquestra sinfonica do Infinito

Sons e Sinfonia.
(Clique na Imagem para Amplia-la)

A força oculto do som é exatamente o que tanto os cientistas quanto os metafísicos estão pesquisando atualmente. Descobrindo o real potencial do som, e principalmente da ressonância, para transformar o mundo em torno de nós.

Penetrar nas vibrações do som sob esses padrões é uma chave para dar forma ao nosso mundo exterior. Uma vez feito isso, poderemos formar de novo o mundo, a partir de dentro.

 

 


Leia este artigo e nos deem suas opiniões sobre esta e outras matérias de nosso Blog. Esperamos o seu feedback sobre esta matéria reveladora. Convidamos você também para expressar o que você pensa em nossa seção de comentários.

Hoje você tem a oportunidade de compartilhar este artigo em todas as suas redes sociais; e assim, proporcionar uma contribuição em favor da verdade e o avanço do conhecimento.

Convidamos você também a localizar nossa página no Facebook; junte-se a nossa comunidade onde você poderá compartilhar com nossos leitores suas experiências paranormais e alienígenas; e ter a chance de fazer novos amigos.

 


Trabalhamos para divulgar notícias sobre Ovnis, Osnis, Ebes, ETs, Alienígenas e afins. 


Fonte: Henrique GuilhermeArquivo x do Brasil
Editado por: Arquivo x do Brasil 

 

 

1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários

1 menção

    • Edgar Pou on 11 de julho de 2014 at 8:48 AM
    • Responder

    http://todoestarelacionado.wordpress.com/2013/04/22/la-farsa-de-las-frecuencias-solfeggio-la-afinacion-a-432-hz-y-su-relacion-con-el-cubo-negro-el-valknut-los-chemtrails-y-el-eneagrama/#more-4997

    Sempre e preciso y honesto porem advertir o al menos considerar as posibles consecuencias y conexiones desconhecidas de todo esto.

    Eu penso que es muito perigoso fazer experimentazao con algo tan delicado como abrir nossos portales para otras dimensiones. Queim garante o que hay de bueno y positivo pra nos on the other side. Nao é bagunza,.

    1. Estimado Edgar, creo que los pequeños portales se abren y cierran de forma natural, sin intervención humana, ya que como explicar las apariciones de seres extraños, como sasquatch, lechón de la cabra, Cíclope, entre otros.
      También creo que muchas desapariciones humanos son debidos cuando se encuentran en lugares donde “puertas” se abren y se aspira en estas otras dimensiones y nunca regresan, el mismo debe suceder con los seres de allí, así que tenemos noticias de desapariciones inexplicables de humano y la aparición de los “seres extraños”, también sin explicación. Un gran abrazo Jorge

  1. […] Sons e Sinfonia Henrique Guilherme […]

Deixe uma resposta para Edgar Pou Cancelar resposta